Mulher é presa suspeita de levar criança a coronel preso por pedofilia

A polícia cumpriu na manhã desta segunda-feira (12) um mandado de prisão contra Thuane Pimenta dos Santos, de 23 anos, que confirmou, em depoimento à polícia, ter entregado uma criança de dois anos nas mãos do coronel reformado da PM Pedro Chavarry. O oficial foi preso na noite de sábado (10), em Ramos, Zona Norte do Rio, após ser flagrado com a menina nua em seu carro.

Coronel reformado foi preso em flagrante no sábado - Foto: Reprodução
Coronel reformado foi preso em flagrante no sábado – Foto: Reprodução

Thuane foi ouvida na sede da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), na Lapa, no Centro do Rio, por volta das 9h desta segunda, após ser presa em casa, na Travessa Leonor Mascarenhas, na comunidade Uga-Uga, em Ramos, Zona Norte do Rio.

Segundo depoimento na Central de Garantias da Cidade da Polícia, ela foi junto com Chavarry e a criança a uma lanchonete, e teve de voltar em casa para buscar o celular. Por isso, Thuane teria deixado a criança com o oficial da PM. A mãe da menina de 2 anos e outras testemunhas devem ser ouvidas nos próximos dias.

A polícia também cumpriu na manhã desta segunda um mandado de busca e apreensão em um dos prédios da Caixa Beneficente da PM, na Praça Tiradentes, onde o coronel trabalhava.

Segundo a Polícia Civil, ao ser flagrado com a criança no carro, o coronel Chavarry “ofereceu vantagens” aos policias militares que o detiveram, a fim de não ser conduzido à delegacia e “se manter impune”.

Ainda de acordo com a polícia, a delegada Carolina Martins, da Central de Garantias da Cidade da Polícia, autuou o coronel em flagrante pelos crimes de estupro de vulnerável e corrupção ativa. Ele foi encaminhado para o Batalhão Especial Prisional (BEP), em Niterói.

A criança foi entregue aos responsáveis legais e posteriormente será encaminhada à Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), segundo a Polícia Civil. A prisão do coronel foi realizada por policiais do 22º BPM (Maré).

A Polícia Civil informou ainda que cópias do procedimento serão encaminhadas ao Conselho Tutelar, para garantir a assistência à criança, e à 21ª DP (Bonsucesso), para prosseguir na investigação quanto a possíveis envolvidos no crime e apurar de que forma que a criança foi entregue ao coronel, e afirmou ainda que “outras informações não serão divulgadas para não prejudicar a investigação”.

O G1 não conseguiu contato com representantes do coronel reformado. A equipe de reportagem não encontrou o contato em listas públicas.

Em nota, a PM disse que “repudia e combate qualquer tipo de crime”. “O crime não pode passar da pessoa de quem o cometeu. Não é a instituição, mas um cidadão que cometeu um crime abjeto e que não teve e nunca terá a nossa complacência”, diz o texto. (G1)

Comentários

comentários