Mulher é presa por comprar bebê de 9 dias por R$ 2,5 mil pelo WhatsApp

Funcionários do hospital desconfiaram da história contada pela mulher e chamaram a polícia. Dian Karla, no entanto, deixou a unidade antes da chegada dos policiais e seguiu para a Secretaria de Saúde. A história também gerou desconfiança dos empregados do órgão, que também decidiram chamar a polícia.

11wats

Durante o depoimento, Dian Karla confessou que o bebê não era dela, mas não admitiu que havia comprado a criança. Segundo a suspeita, o bebê era filho de uma mulher de Caruaru, em Pernambuco, que havia lhe dado. A versão, no entanto, foi desmentida pelas conversas registradas no WhatsApp dela e transações bancárias.

Ainda em depoimento à polícia, a suspeita disse que procurou na internet uma forma de conseguir um bebê doado e chegou até a mãe da criança comprada. Dian contou que já tem três filhos biológicos e um adotado e que tinha a intenção de cuidar do menino do caso como mãe. Ela foi indiciada por tentativa de falsidade ideológica.

As informações são do EXTRA.

Comentários

comentários