MS registra o pior resultado na geração de empregos em setembro desde 2003

O mercado de trabalho formal de Mato Grosso do Sul continua em queda, segundo dados Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta sexta-feira (23). A média, nos últimos 12 meses, é de que 45 trabalhadores perderam o emprego, um total de -16.318 postos de trabalho.

Pessoas que procuram emprego no Centro de Solidariedade ao Trabalhador da Força Sindical.
Pessoas que procuram emprego no Centro de Solidariedade ao Trabalhador da Força Sindical.

Em setembro de 2015, a média foi ainda pior, 93,8 trabalhadores foram demitidos por dia, o que totalizou 2.815 demissões e deixou o mês no pior resultado dos últimos 13 anos.

Os setores de atividade econômica que mais contribuíram para a queda de 2.815 demissões foram: Serviços (-1.521 postos), Indústria de Transformação (-831 postos) e Construção Civil (-323 postos).

Conforme o levantamento, o número representa uma redução de 0,55% em relação ao estoque de assalariados do mês de agosto, que também havia registrado queda de 1.487 empregos. Com relação aos meses de setembro dos anos anteriores, o único ano que havia registrado queda de empregos era 2005, com perda de 1.251 vagas.

Os únicos setores que tiveram mais contratações do que demissões e se mantiveram estáveis foram serviços industriais de utilidade pública, com a criação de 6 empregos formais e administração pública, com duas novas vagas.

Nas cidades com mais de 30 mil habitantes no estado, apenas três apresentaram saldo positivo, com mais contratações do que demissões, sendo elas Ponta Porã, Sidrolândia e Amambai. Entre as que tiveram o número de demissões superior ao de contratação, a Capital é a que apresenta o maior saldo negativo, com redução de 1.441 postos de trabalho em setembro.

Comentários

comentários