Movimento espera mais de 10 mil pessoas ato a favor do impeachment de Dilma

No próximo domingo (13), manifestantes de Campo Grande irão para as ruas durante o movimento “Pró-impeachment”, pedindo o afastamento da presidente Dilma Roussef (PT) da Presidência da República.

A expectativa é de que mais de 10 mil pessoas compareçam ao protesto.
A expectativa é de que mais de 10 mil pessoas compareçam ao protesto.

O engenheiro Noli Aléssio, um dos integrantes do movimento, em entrevista ao Página Brazil nesta quinta-feira (10), contou que vários grupos estão unidos na causa. “É um protesto que está unindo várias pessoas e grupos em um único movimento. O evento não será só realizado na Capital, mas em várias cidades do país”, relatou.

Ainda segundo Noli, as pessoas estão cansadas das crises pelo qual o Brasil está passando e corrupção. “A maneira que encontramos de tentar fazer algo mudar é indo para as ruas. Nós não podemos mais continuar com o Brasil nessa situação”, disse.

Desde hoje o grupo já está pelas ruas da cidade adesivando carros e divulgando o evento.

Fazem parte deste protesto, o grupo “Chega de Impostos”, o “Pátria Livre”, Movimento Popular Fora Dilma e Avança Brasil. “Além deste protesto com a participação de muitos movimentos, também estão sendo feitas ações isoladas para orientar a população e cobrar os políticos” comenta.

Também é feita com frequência manifestações no Aeroporto Internacional de Campo Grande, a espera dos parlamentares do Estado. “Fazemos a cobrança toda quinta-feira”. O evento do próximo domingo (13) foi organizado pelos movimento nacionais e vai acontecer em todo país. “Estamos empenhados neste momento importante”.

Noli, ainda destacou que vai haver manifestações com carros de som, outdoor e adesivagem, para expor os deputados que pretendem votar contra o impeachment da presidente Dilma (Rousseff). “Vamos rodar a cidade e pedir para população não votar nos deputados que adotarem esta posição”

O ponto de encontro será no Obelisco, na Avenida Afonso Pena, no próximo domingo às 16h.

Kerolyn Araújo

Comentários

comentários