Moka pede correção no projeto de duplicação da BR-163

O senador Waldemir Moka (PMDB-MS) informou que prefeitos de 14 municípios do Mato Grosso do Sul, incluindo o de Campo Grande, capital do estado, cobraram da Agência Nacional de Transportes Terrestres a solução para um problema no projeto de duplicação da BR-163, que liga aquele estado ao Mato Grosso, e é uma importante via para o transporte de grãos.

Moka em discurso na tribuna do Senado Foto Agência Senado
Moka em discurso na tribuna do Senado Foto Agência Senado

Segundo o senador, o projeto não prevê obra de rotatória, contorno ou outra alternativa que minimize os impactos que o fluxo de veículos deve gerar nos municípios que a rodovia deve cortar. Isso, em sua opinião, deve ser corrigido para evitar problemas para os moradores dessas cidades e usuários da rodovia.

– Ao cortar uma cidade, por menor que seja, a rodovia traz impacto. E é preciso, além de fazer o contorno, sinalizar muito bem, até para evitar acidentes – alertou o senador.

Conflito agrário

O senador Waldemir Moka também defendeu proposta que muda a Constituição, prevendo a indenização de proprietários detentores de boa-fé de terras que forem declaradas tradicionalmente indígenas. Pela proposta, a indenização será feita pelos valores da terra nua e das eventuais benfeitorias úteis e necessárias erguidas na propriedade, disse o senador.

– É um instrumento para que o governo possa, pelo menos, tentar pacificar esse ambiente que hoje, no Mato Grosso do sul, está muito tenso – afirmou o senador.

O clima de tensão a que Waldemir Moka se referiu envolve conflito ocorrido há duas semanas no sul de Mato Grosso do Sul, onde duas propriedades foram invadidas por indígenas.

Segundo o senador, em uma das propriedades houve até um início de conflito. Por isso, ele também cobrou uma ação do governo federal para evitar esse tipo de situação.

Comentários

comentários