Mochi avalia situação do PMDB em MS em meio à crise nacional e à investigações do MPE

O presidente da Assembleia Legislativa, e presidente estadual do PMDB, Júnior Mochi, em entrevista ao programa Tribuna Livre, da Capital FM, e ao portal Página Brazil, concedida na última sexta-feira (16), analisou o momento político de desgaste enfrentado pela legenda que integra. Em nível nacional – por permanecer na base do governo Dilma Rousseff (PT) – e em nível estadual – em meio à suspeitas que pairam sobre os nomes mais importantes do partido, investigados por operações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE).

DSC_0106

Dilma, Lama Asfáltica e Coffee Break – Segundo Mochi, “o PMDB sempre foi um partido muito forte. Tem o maior número de vereadores, o maior número de prefeitos e tem também diretórios constituídos nos 79 municípios, com lideranças em todos eles. O que a gente tem feito é procurar dar ênfase a essa força que o partido tem, fazendo encontros e  trazendo lideranças; discutindo, fazendo pesquisas e apresentando a cada um dos municípios e na busca de lideranças; promovendo cursos de formação política, preparando nossos pré-candidatos para os embates eleitorais que virão pela frente, principalmente em 2016, uma eleição municipal.”

Para o presidente estadual do PMDB, “é claro que o partido enfrenta uma discussão, em nível nacional, onde parte significativa do partido tem compromisso de apoio à ‘presidenta’ (sic) e outra parte, quer e está mais na oposição. E, em nível local, enfrenta também problemas relacionados a alguns membros de partido, de investigações promovidas pelo Ministério Público. Eu encaro de uma forma normal a investigação. Até o presente momento não há nenhuma condenação. Há uma investigação em curso, essa investigação vai ter o seu desenrolar e nós temos que acompanhar a investigação, a apuração dos fatos e possíveis condenações, mas não dá ainda para pré-julgar, nem pra manchar a história de pessoas que, aos longo dos últimos vinte anos, contribuíram de forma decisiva para a construção, para o desenvolvimento e o progresso de Mato Grosso do Sul”, ponderou.

Eleições 2016 em Campo Grande – Neste contexto conturbado, o deputado considerou quais são as perspectivas para as eleições do ano que vem para o PMDB. “É preciso delinear algumas coisas. Nós temos uma discussão delineada com o deputado Marquinhos Trad, que a gente avalia hoje – em função da decisão do ex-governador [André Puccinelli] de não ser candidato -, eleitoralmente falando, o nome mais forte nas pesquisas. Estamos discutindo com ele, de forma muito sincera e clara, pra dizer: “Você quer permanecer no partido? Você tem interesse? Quer ser candidato pelo PMDB? Ou não?” Então, essa discussão, essa decisão dele, é preponderante na nossa decisão. Ele tem que dizer se quer, sentar com o partido, para que o partido também possa lhe dar o devido apoio. Esse é um ponto.” Durante entrevista ao Tribuna Livre, da Capital FM, Mochi declarou que, caso o deputado resolver deixar a legenda, que “o partido assina a sua saída”, liberando o deputado, sem o risco de ter sua vaga requerida em um eventual processo de infidelidade partidária.

Alternativas – De acordo com presidente estadual do PMDB, diante de uma eventual negativa por parte do deputado, em disputar à vaga no Executivo Municipal em Campo Grande, o partido tem alternativas. “Caso o candidato do PMDB não seja Marquinhos Trad, nós temos outros nomes. Principalmente o deputado federal [Carlos] Marun – que sempre se colocou à disposição e tem interesse de concorrer, desde que a legenda lhe proporcione essa oportunidade -; nós temos o senador Waldemir Moka; nós temos a senadora Simone Tebet – que ambos têm demonstrado um certo desinteresse [em participar da disputa] -, mas caso haja a necessidade do partido, eles estão à diposição pra isso. E outros nomes, dentre os vereadores, dentre os deputados, que têm respaldo político e eleitoral para participar de uma disputa como essa”, concluiu o presidente do PMDB em Mato Grosso do Sul.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários