Mistério sobre autor da ‘Bíblia do Diabo’ gera polêmica

Codex Giga, ou ‘Bíblia do Diabo’, é o maior manuscrito medieval do mundo, com mais de 74 quilos e quase um metro de comprimento. Especialistas acreditam que seria necessário couro de ao menos 160 animais para a feitura das páginas do livro. Mas, não é apenas o tamanho do Codex Giga que impressiona: o mistério sobre seu autor – até hoje desconhecido – gera polêmica, já que alguns defendem que tenha sido escrito pelo próprio Lúcifer, “encarnado em um monge”. As informações são do Daily Mail.

Feito no início do século XIII, supostamente no mosteiro beneditino em uma cidade da Boêmia (atual República Checa), e atualmente preservado na Biblioteca Nacional da Suécia, em Estocolmo, o manuscrito intriga historiadores. Segundo uma análise da escrita feita pelo paleógrafo Michael Gullick, apenas uma pessoa o escreveu: a letra é a mesma do começo ao fim – e a assinatura no final também. Além da caligrafia, a tinta – que era feita de insetos esmagados – é a mesma; de acordo com paleógrafo, era difícil que uma escriba usasse diferentes tipos de tinta.

(Foto: DIVULGAÇÃO)
(Foto: DIVULGAÇÃO)

O fato mais impressionante é que, ainda de acordo com o especialista, para conseguir o feito, seriam necessários cinco anos – ininterruptos – para criá-lo. Em uma reportagem do National Geographic, alguns estudiosos levantam uma polêmica, afirmando que “autor estaria possuído”. “Claramente, o autor deste enorme manuscrito estava possuído por alguma coisa para criar tal obra-prima. Se era o poder da luz ou a escuridão, isso foi perdido pelo tempo”, defendem.

O Codex Gigas contém cinco textos longos além da Bíblia completa. O livro começa com o Antigo Testamento, seguido por duas obras de Flávio Josefo, que viveu no primeiro século depois de Cristo, termina com o Novo Testamento e uma crônica da Boêmia por Cosmas de Praga.

A lenda em torno da chamada “Bíblia do Diabo” conta que um monge da Idade Média teria sido condenado por desrespeitar seus votos monásticos. Para evitar a punição, o monge prometeu escrever, em uma única noite, um livro contendo todo o conhecimento humano. Mas, como a meia-noite se aproximava, o monge teria se desesperado e, então, suplicou ajuda a Lúcifer para terminar o livro em troca de sua alma. Assim, o Diabo concordou e assinou o trabalho, adicionando um autorretrato – uma imagem colorida, que ocupa a página inteira.

Alguns pesquisadores acreditam que a lenda do monge punido vem por um mal-entendido na assinatura do livro onde se lê “Hermanus inclusus”. Essa única palavra “inclusus” foi traduzido para “um castigo terrível”, mas o verdadeiro significado da palavra está mais perto de “recluso”, o que significa que a assinatura poderia ter sido feito por um monge solitário que escolheu se excluir do mundo exterior e dedicar sua vida ao Codex Gigas.

TERRA

Comentários

comentários