Ministro ordena uso da força contra caminhoneiros se for necessário

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) aplique multas e, se necessário, use a força para desobstruir rodovias bloqueadas por caminhoneiros do Comando Nacional do Transporte, entidade criada no ano passado à revelia dos tradicionais sindicatos da categoria.

Fila de caminhoneiros em Minas Gerais (Foto: AFP/9)
Fila de caminhoneiros em Minas Gerais (Foto: AFP/9)

Relatório divulgado pela PRF às 9h nesta terça-feira aponta bloqueios parciais em 22 trechos de 21 rodovias federais em sete estados — Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Bahia, Tocantins e Ceará.

O ministério considera baixa a adesão às manifestações, mas entende que não pode tolerar bloqueios e arruaças. Os protestos teriam como objetivo provocar desabastecimento de alguns produtos em determinadas regiões e, com isso, desestabilizar o governo. O item número um da pauta dos manifestantes é a deposição da presidente Dilma Rousseff.

A AGU (Advocacia-Geral da União) estuda a possibilidade de ajuizar ação, ainda nesta terça-feira, contra caminhoneiros que estão participando do bloqueio de estradas federais em pelo menos sete estados.

Advogados da AGU já estão em contato com representantes do Ministério da Justiça e da PRF para definir uma linha de atuação no caso. A ideia é repetir a estratégia do ano passado quando, a pedido da AGU, a Justiça Federal determinou o desbloqueio das rodovias e estabeleceu pesadas multas em caso de desobediência à ordem.

No segundo dia de greve, o Rio Grande do Sul era o estado com mais manifestações pela manhã: dez. Em nove pontos não havia qualquer bloqueio à passagem de veículos. Em um, no Km 245 da BR-276, em Apucarana, só estava liberado o tráfego de ônibus, ambulâncias, veículos de passeio e caminhões retidos.

O Paraná apresentava oito pontos com interdições parciais de rodovias, enquanto Santa Catarina tinha três também com impedimento à passagem de veículos e um sem bloqueio. Em Minas Gerais foram contabilizados seis trechos em que a passagem era seletiva.

Tocantins também tinha um ponto em que o trânsito não era totalmente livre, assim como o Ceará. Já na Bahia, havia apenas uma manifestação, mas sem afetar o vaivém na BR-242, em Barreiras.

Na segunda-feira, o governo federal atuou para enfraquecer a greve, que no primeiro dia bloqueou 48 pontos de rodovias em 12 estados. Cardozo anunciou que os caminhoneiros que tentarem impedir o “direito de ir e vir” receberão multas de mais de R$ 1,9 mil.

Para ele, os líderes do movimento não têm uma reivindicação da categoria dos caminhoneiros, mas uma “pauta política”. Um reflexo disso é a falta de apoio à greve atual por outras entidades da categoria.

Outros sindicatos de caminhoneiros criticaram os protestos ontem. A CNTA (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos ) classificou como imoral “qualquer mobilização que se utiliza da boa-fé dos caminhoneiros autônomos para promover o caos no país”.

Para a CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística), filiada à CUT, os caminhoneiros estão sendo usados em prol de interesses políticos.

O líder do MUBC (Movimento União Brasil Caminhoneiro), Nelio Botelho, disse na segunda-feira que a força do primeiro dia de greve superou as expectativas da organização. No entanto, afirmou que a entidade não vai participar de eventuais protestos, assim como não atuou na paralisação do primeiro semestre.

O GLOBO

Comentários

comentários