Microcefalia: Ministério da Saúde volta atrás e diz que não existe recomendação para evitar gravidez

Nessa quinta-feira, o diretor do departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do órgão aconselhou mulheres de Pernambuco a adiarem planos de ter filhos

Ministério da Saúde microcefalia

O Ministério da Saúde divulgou nota nesta sexta-feira (13), onde afirma que “não há recomendação para que mulheres evitem a gravidez em Pernambuco”. Na última quinta-feira (12), o diretor do departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do órgão, Cláudio Maierovitch, havia aconselhado as pernambucanas a “adiarem os planos de ter filhos até que se esclareçam as causas do aumento de casos de bebês com microcefalia no estado”. O diretor declarou nesta quinta-feira: “Não engravidem agora. Esse é o conselho mais sóbrio que pode ser dado“.

Na manhã desta sexta, as especialistas do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), no Recife, afirmaram em coletiva que a Secretaria Estadual de Saúde “não emitiu nenhuma nota oficial com a recomendação para que se evite a gravidez”. A chefe do serviço de infectologia pediátrica da unidade, Ângela Rocha, declarou: “não existe no estado uma indicação geral, formal para não engravidar. Mas é claro que os obstetras recomendam esperar outro momento.”

No Oswaldo Cruz, cerca de 40 crianças com microcefalia estão sendo acompanhadas de outubro para cá. Hoje, o hospital atendeu duas mães com bebês que têm a anomalia. A chefe do ambulatório do HUOC, Regina Coeli, destacou que não é adequado chamar o aumento do número de casos de surto, ou epidemia, porque microcefalia não é uma doença [a microcefalia é uma má formação que ocorre durante a gestação que pode estar sendo gerada por outro fator – até mesmo alguma outra doença – ainda desconhecido] “que está sendo investigado, mas a microcefalia é a consequência”, explicou.

De acordo com Ministério da Saúde, até que se esclareçam as causas do aumento da incidência dos casos no Nordeste, as mulheres que planejam engravidar devem conversar com a equipe de saúde de sua confiança. Na consulta, devem avaliar as informações e riscos da gravidez para tomar a decisão. “As informações estão sendo divulgadas conforme o andamento das investigações. A decisão de uma gestação é individual de cada mulher e sua família”, declarou o órgão.

O ministério ainda informou que o boletim epidemiológico sobre os casos no país será divulgado na próxima terça-feira (17), em coletiva de imprensa, e publicou recomendações para as grávidas. Confira:

“Sobre os casos de microcefalia na região Nordeste, o Ministério da Saúde orienta às gestantes:

1 -Devem ter a sua gestação acompanhada em consultas pré-natal, realizando todos os exames recomendados pelo seu médico;

2 – Não devem consumir bebidas alcoólicas ou qualquer tipo de drogas;

3 – Não utilizar medicamentos sem a orientação médica;

4 – Evitar contato com pessoas com febre, exantemas ou infecções;

5 – Adoção de medidas que possam reduzir a presença de mosquitos transmissores de doenças, com a eliminação de criadouros (retirar recipentes que tenham água parada e cobrir adequadamente locais de armazenamento de água);

6 – Proteger-se de mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes indicados para gestantes”

Com informações do Diário de Pernambuco

 

Comentários

comentários