Menino de 2 anos é estuprado e contrai HPV; padrasto é o principal suspeito

Uma criança de 2 anos foi estuprada pelo padrasto de 27 anos e contraiu HPV, uma doença sexualmente transmissível causada pelo Papilomavírus humano em Três Lagoas, cidade a 338 quilômetros de Campo Grande.

Segundo delegado Paulo Rosseto, casos de estupro chegam a delegacia por meio de denúncia anônima  (Foto: Hoje MS)
Segundo delegado Paulo Rosseto, casos de estupro chegam a delegacia por meio de denúncia anônima
(Foto: Hoje MS)

O caso chegou ao Conselho Tutelar no início deste mês, porém, só agora foi divulgado pela Polícia Civil, que acredita na importância em falar da ocorrência para chamar a atenção dos pais e responsáveis por menores de idade.

De acordo com o titular da 1ª Delegacia de Polícia Civil, Paulo Rosseto, que investiga o estupro, a mãe da criança, de 21 anos, negou o caso, mas exames psicológicos aplicados na vítima mostraram que o estupro foi cometido pelo seu companheiro. “No exame corpo de delito foi constato que a vítima foi estuprada e contraiu a DST”, disse.

Por não se tratar de flagrante, o acusado responde ao processo em liberdade até que o inquérito seja concluído. Porém, a prisão dele não está descartada. Ele vai responder por estupro de vulnerável.

A guarda da criança foi tirada da mãe e a vítima agora está com o pai biológico, pois há indícios de que a mãe possa ter sido negligente com a filha. “O inquérito está quase concluído e será encaminhado para o Poder Judiciário”, disse.

Segundo Rosseto, a maioria dos casos de estupro chega a delegacia por meio de denúncia anônima e é cometido por pessoas bem próximas. “Os pais, responsáveis ou parentes mais próximos devem ficar atentos a mudança de comportamento da criança, pois geralmente elas não têm coragem de confessar. Esse tipo de caso é bastante delicado e merece toda atenção”, disse.

Comentários

comentários