Médico norte-americano vai acompanhar tratamento de paciente com raiva

O médico americano Rodney Willoughby vai acompanhar o tratamento do piscineiro, de 38 anos, que está internado com raiva humana no Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, em Campo Grande.

Na manhã desta segunda-feira (20),o médico que trata do paciente, Maurício Pompilho, disse,que o estado de saúde é considerado grave, mas o quadro do paciente permanece estável. “Infelizmente o paciente corre risco de vida, mas com o tratamento experimental, a partir de 2004, já é possível dar uma expectativa de cura”, disse.

O tratamento à base da medicação é o mesmo que salvou um adolescente do Estado de Pernambuco em 2008, também contaminado pela raiva depois de ser supostamente mordido por um morcego.

O paciente está em Campo Grande desde a última sexta-feira (17) e ainda não se sabe como ele reagirá à medicação. Hoje o estado de saúde dele considerado estável. Ele está em coma induzido e respira com a ajuda de aparelhos.

Ainda de acordo com Pompilho, o caso se agravou devido a demora do paciente em procurar atendimento médico. Uma biopsia da pele confirmou a doença e outro exame, de isolamento viral, confirmou pela segunda vez o caso. O homem foi mordido por um cachorro infectado em Corumbá, distante 444 km de Campo Grande, e procurou atendimento médico cerca de 45 dias depois, mesmo com o surto de raiva que atinge a cidade.

Ele está internado no HU desde sexta-feira (17), na ala vermelha. O vírus afetou o sistema nervoso, mas como ele está em coma, o vírus não se desenvolve. O piscineito está sendo tratado com Amantadina, um antiviral que impede a replicação do vírus no corpo, e o hospital aguarda uma proteína chamada Biopterina que deve ser enviada pelo Ministério da Saúde para o tratamento.

A orientação médica é para que a população procure uma unidade de saúde imediatamente em casos de mordidas, lambidas ou arranhaduras de cachorros, mesmo que não pareçam infectados, além de mordidas de morcegos.

Comentários

comentários