Marun não aceita imposição de deputado, mas diz aceitar concorrência

O deputado Carlos Marun (PMDB), favorito para disputar a Prefeitura de Campo Grande pelo PMDB, disse que não tem rejeição ao nome do deputado Marcio Fernandes (PTdoB), que estuda filiação no PMDB para ser o candidato do partido a prefeito de Campo Grande.

marump

Já o vigilante Alexandre Candelaria , 37 anos, que só tenho a moto como meio de transporte comenta que a faixa para motos e importante para que evite os corredores e vai ajudar a diminuir os acidentes.

Marun diz que o deputado é bem vindo, mas não aceita a migração caso ele só venha para o partido se for para ser candidato. “É bom que venha, mas não com pré-condição. Que venha para o PMDB primeiro, para depois colocar o nome como possibilidade. Tem que se apresentar primeiro”, opinou.

Apesar de rejeitar a pré-condição de Marcio Fernandes, Marun não descarta a possibilidade dele ser o candidato, avaliando que é uma opção a ser considerada. “Posso até entender que ele é uma boa opção”, concluiu, ressaltando que não trabalha para ser candidato e que está bem em Brasília.

Marun insiste em dizer que não trabalha pela candidatura, mas sempre liga para um deputado peemedebista para reclamar quando alguém tira o nome dele do páreo. Foi assim da outra vez, quando o líder do PMDB na Assembleia, Eduardo Rocha, disse que o partido poderia apoiar outra sigla.

Carlos Marun é favorito a disputar a prefeitura pela falta de opção no PMDB. André Puccinelli (PMDB), Waldemir Moka (PMDB) e Simone Tebet (PMDB) não querem se candidatar, deixando o partido sem grandes opções. É por este caminho que Marun pretende seguir. Ele alega que defende candidatura própria e, por isso, tem que colocar o nome à disposição, caso não encontrem outra opção.

Esta não seria a primeira vez que um deputado mudaria de partido para disputar pelo PMDB. Na última eleição o então deputado Edson Giroto saiu do PR para se candidatar pelo PMDB, mas acabou perdendo.

Comentários

comentários