Manifestantes chamam vereador de pedófilo e confusão quase acaba em pancadaria

A Câmara Municipal teve mais uma sessão tensa e tumultuada na manhã desta terça-feira (18). Defensores do prefeito da Capital, Gilmar Olarte (PP), xingaram os vereadores de oposição, que culminou com um bate-boca entre os manifestantes e o vereador Paulo Pedra (PDT). Professores em greve também entraram na confusão com gritos de guerra contra os manifestantes favoráveis ao chefe do Executivo.

Confusão quase terminou em pacadaria
Confusão quase terminou em pancadaria – Foto: Reprodução Whatsapp

Liderados por Elvis Rangel, atual presidente da Associação de Moradores do Jardim Aeroporto e ex-coordenador de Assuntos Comunitários nas gestões Alcides Bernal (PP) e Gilmar Olarte, os manifestantes gritavam “vem para base” e “pedófilo”.

A afirmação faz alusão ao boato que circula nas redes sociais e pelo aplicativo WhatsApp de que o pedetista seria um dos vereadores investigados pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), por suposto envolvimento com uma rede de exploração sexual de menores. Pedra se irritou com o último ataque e partiu para cima do grupo. Elvis Rangel teve que ser contido, segurado pelo pescoço. A Guarda Municipal precisou  intervir para que a sessão não acabasse em pancadaria.

De acordo com o vereador Paulo Pedra (PDT)  “essa administração trouxe para cá pessoas para tumultuar à sessão, que agrediram verbalmente aos professores, me agrediram e me caluniaram, com ofensas pessoais que demonstram a atuação sórdida…E nós sabemos como está sendo comandado isso aí; comandado pela primeira-dama [Andréa Olarte] que é uma ‘agente do mal’, que faz com que essas pessoas venham pra cá e comecem a fazer ataques pessoais contra professores e vereadores da oposição.”

Questionado sobre a possibilidade de ingressar com alguma ação jurídica por conta do episódio, Pedra afirmou: “Eu sou da política e vou ficar no campo da política. Não vou tomar medida jurídica nenhuma. Eu sou da oposição e quem vai julgar o meu mandato daqui a um ano e meio são os eleitores”.

Após o tumulto, o vereador Marcos Alex (PT) pediu a retirada dos manifestantes, que estavam desrespeitando os parlamentares. Depois de os ânimos acalmados, o vereador Paulo Pedra desabafou sobre a situação: “Ataque político eu aceito, pode fazer o que quiser, mas taque pessoal eu não aceito porque é maneira sórdida dessa administração atuar nos bastidores e com chantagem. Não entro nesse jogo”, voltou a afirmar, revoltado, o vereador Paulo Pedra.

Já o presidente da associação dos moradores do Jardim Aeroporto afirmou que irá solicitar as imagens da Câmara para que a situação seja avaliada. “Ele me pegou pelo pescoço, me ameaçou que ia me pegar lá fora, isso é um absurdo”, declarou.

Depois da confusão, a sessão ainda durou alguns minutos, mas com os ânimos alterados, acabou sendo encerrada mais cedo, ainda entre gritos de manifestantes pró-Olarte e professores grevistas.

Jackson Nogueira e Silvio Ferreira

Comentários

comentários