Maioria dos estados não tem previsão de antecipar CNH digital

Da Redação/JN

Recurso estreou em Goiás, que vai testar o sistema de emissão.

A CNH digital não estará disponível tão cedo em outros estados que não o de Goiás, onde estreou na última terça (10).

CNH digital substituirá a convencional (Foto: Divulgação )

A localidade foi escolhida para ser a primeira a receber o sistema e espera emitir 100 mil unidades da carteira de habilitação virtual até o fim do ano (entenda como funciona a CNH digital).

O governo federal quer que, até 1º de fevereiro próximo, o recurso seja oferecido em todo o país.

O G1 consultou o Detran (Departamento Estadual de Trânsito) de todos os estados e do Distrito Federal na última quarta-feira (11) e apenas o de Roraima afirmou que deverá lançar a CNH digital no local antes do prazo, até dezembro.

São Paulo e Rio de Janeiro poderão se antecipar, mas ainda não confirmam uma data. Os demais afirmaram que seguirão o prazo estipulado pelo governo federal. Apenas o Detran-MS não respondeu.
A CNH impressa continuará sendo emitida.

Só para quem tem CNH atual

A CNH digital só é acessível para quem tem a carteira impressa no modelo atual, com QR Code, um código específico para ser lido por aparelhos eletrônicos. Ele existe nas CNHs emitidas desde maio último.
Em Goiás, esses motoristas já podem ir até o Detran para solicitar a versão eletrônica do documento.

Depois disso, eles farão um cadastro no Portal do Denatran e receberão um código de acesso para o aplicativo que abrigará a CNH digital.

Até o fim do ano, o governo do estado não cobrará pela via eletrônica. A partir de 2018, será preciso pagar R$ 10 por ela.

Já a emissão da CNH impressa atualmente custa R$ 189,91, para primeira habilitação, e R$ 133,25, para renovação.

Nos demais estados, a cobrança ou não pela CNH virtual ficará a cargo de cada Detran, assim como a estipulação de eventual valor.

Comentários

comentários