Lutador descontrolado mata hóspede de hotel após agredir namorada

Está circulando na internet videos da destruição causada e do momento da prisão do lutador de Jiu-Jitsu Rafael Martinelli Queiroz, 27 anos que espancou até à morte o hóspede Paulo Cézar de Oliveira, 49, na noite de sábado (18).

O suspeito que estava hospedado Hotel Vale Verde, localizado na Avenida Afonso Pena, em Campo Grande assim como a vítima. Rafael teria tido um ataque de fúria após discutir com a namorada de 24 anos. O motivo é relacionado a uma possível traição, pois a namorada estaria gravida e Rafael desconfiou que a paternidade não seria sua.

Segundo a polícia após ser agredida a mulher saiu correndo do apartamento 221, em que estava hospedada junto com o suspeito, correu em direção a recepção para pedir ajuda e se escondeu. Ele saiu a procura da mulher destruindo tudo o que encontrou pela frente, como móveis, objetos e câmeras do circuito interno de segurança.

Foi quando  ele invadiu o quarto 216 do hóspede Paulo Cézar de Oliveira, 49 anos. Sem motivos aparentes, ele partiu para cima da vítima e a espancou até a morte, ainda utilizando uma cadeira de madeira.A vitima foi encontrada por uma funcionaria do hotel em seu apartamento já sem vida, debaixo de uma cadeira. O quarto estava todo desalinhado e com vários objetos quebrados.

O suspeito inicialmente tentou resistir a prisão mas foi contido por cerca de 10 homens, onde foi realizado sua prisão preventiva. Por estar muito agitado e oferecer risco aos policiais o homem ainda não foi interrogado.

Rafael é natural de Araçatuba (SP) e radicado em Valparaíso (SP) e veio a Campo Grande para participar de um evento de lutas realizado no Círculo Militar. Não se sabe motivo ainda mas o lutador não competiu na sexta-feira e perdeu por W.O, caracterização de desistência do competidor. Ele é faixa-preta de Jiu-Jitsu e ex-campeão mundial, tem quase dois metros de altura e aproximadamente 140 quilos, já a vitima tinha apenas 70 quilos, metade do seu peso.

O caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do Centro como homicídio doloso qualificado por motivo fútil, emboscada ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa da vítima; lesão corporal dolosa (violência doméstica); resistência e dano qualificado por motivo egoístico ou com prejuízo considerável para a vítima.

Veja o vídeo:

Paulo Francis

Comentários

comentários