Lula critica PT e prepara afastamento do governo

Estão causando enormes surpresas as críticas cada vez mais diretas do ex-presidente Lula ao PT e cada vez menos indiretas também à presidente Dilma Rousseff. A pergunta que se faz depois dessa nova postura de Lula é: aonde o ex-presidente que chegar. Na segunda-feira, num debate promovido por seu instituto, Lula disse que o PT perdeu a utopia, só pensa em cargos, precisa de uma revolução.

foto: Divulgação
foto: Divulgação

Lula bateu duro, sem dó nem piedade no partido do qual é o presidente de honra: “Eu acho que o PT perdeu um pouco a utopia. Eu lembro como é que a gente acreditava nos sonhos, como a gente chorava quando a gente mesmo falava, tal era a crença. Hoje nós precisamos construir isso porque hoje a gente só pensa em cargo, a gente só pensa em emprego, a gente só pensa em ser eleito e ninguém hoje mais trabalha de graça.”

Foi ontem num evento promovido pelo Instituto Lula, com o presidente do ex-primeiro-ministro socialista da Espanha, Felipe Gonzáles. Para se ter uma idéia de como Lula estava inquieto para falar é que ele ficou calado o tempo todo durante o seminário, de fone de ouvido e nenhuma fala sua estava prevista. Falou e popularmente “soltou o verbo”.

Na semana passada, diante de um grupo de religiosos, Lula já havia feito críticas a seu partido, sem se preocupar com o vazamento da informação. Agora, foi de público. E foi mais longe: o partido precisa decidir se quer salvar “a pele” ou o projeto, registrou a reportagem do “Valor Econômico”.

Lula não poupou Dilma em nenhuma das duas ocasiões. Para os religiosos foi mais critico, dizendo que ela não ouve suas orientações e, principalmente, insinuando que ela mentiu na campanha eleitoral quando disse que não prejudicaria os trabalhadores e nem reajustaria determinadas tarifas e depois de eleita fez o contrário. Desta segunda vez a referência foi mais indireta, quase um recado, com críticas ao ajuste fiscal – europeu.

Esse comportamento de Lula não pode ser visto apenas como um desabafo de quem está preocupado com a situação de seu partido e do governo de marca petista e de quem vê sua popularidade ameaçada e o sonho de 2018 subir no  telhado (o DataFolha mostrou que numa eleição hoje ele perderia para Aécio Neves por 35% a 25% e que o PSDB tem o mesmo índice de aceitação que o PT).

Lula tem um método nessas críticas, segundo analistas. É caso pensado.

Massacre eleitoral

O ex-presidente, avalia-se, está preparando o caminho, já desenhado pelo partido, para ir descolando sutilmente o PT e ele próprio do governo Dilma Rousseff, exatamente para não ser mais contaminado pela má avaliação presidencial. Lula e os petistas parecem ter perdido a esperança de que o governo Dilma possa se recuperar totalmente até as eleições do ano que vem e que consiga colocar a economia brasileira em céu de brigadeiro até 2018. Se os dois ficaram juntos, avaliam, será um abraço de afogados e o PT poderá sofrer dois massacres eleitorais em 2016 e 2018.

Lula também destila alguma mágoa da presidente Dilma Rousseff – e não apenas pela visível perda de influência dele mesmo e do PT no Dilma II. O ex-presidente e os petistas desconfiam de movimentos da presidente e de alguns de seus auxiliares ( petistas não muito ligados ao comando partidário e ao grupo lulista), também para se livrarem das questões ligadas à Operação Lava-Jato, que ficaria apenas como coisa do PT e de responsabilidade do governo passado.

Diz a jornalista Vera Magalhães, na coluna “Painel” da “Folha de S. Paulo”, que o ex-presidente Lula comenta com interlocutores que se sente “órfão” e que a ex-presidente não protege quem a colocou lá. As prisões de sexta-feira dos presidentes da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e da Andrade Gutierres, Otávio de Azevedo, exacerbaram esse sentimento.

Mas Dilma também tem queixas do PT e de Lula. Ela não está gostando das últimas manobras do ex-presidente, pelos mesmos motivos que Lula reclama dela: pensa que os petistas querem que todas as dificuldades atuais sejam debitadas na conta do atual governo. E que ninguém criticou a estratégia de campanha, que hoje Lula dá como responsável por parte da impopularidade recorde de Dilma.

Há um mal querer mútuo entre Dilma e Lula e o PT que não vai levar à ruptura entre a presidente e seu criador, mas que torna o ambiente político cada vez mais delicado. Não é à toa que já começam a surgir em ambientes petistas, com reflexos em notas e comentários nos jornais, ataques mais explícitos ao ministro Joaquim Levy. Cada um querendo salvar sua face, eles se empurram mutuamente para mais confusões e mais dificuldades para o governo.

O grande desafio de Lula e do PT, se prosseguirem nesta escalada, será como explicar que não têm nenhuma responsabilidade sobre Dilma e sobre tudo que está aí.

INFOMONEY

Comentários

comentários