Licitação chega ao fim e obras no Rio Anhandui podem finalmente ser iniciadas

Lúcio Borges

A grande obra no Rio Anhanduí, que começará em frente ao shopping Norte Sul, ao que se indicou nesta sexta-feira (20), está próxima de finalmente iniciar, após mais de seis anos, sendo lançada e programada para começar, mas que acabava por nem ‘ir ao local’. Hoje, a prefeitura de Campo Grande divulgou o resultado da licitação para obras de revitalização e controle de enchentes no Rio, que é praticamente a última etapa para concretização do empreendimento, que já até chegou ao final nas duas últimas administrações e por fim, até por problema ideológicos, retrocedeu, como em 2016 na geso de Alcides Bernal. Agora, a atual gestão, basta aguarda o prazo de cinco dias úteis para apresentação de recursos e autorização da Caixa Econômica Federal para dar início as obras. O prazo de conclusão levará todo ano de 2018 até meados de 2019, se iniciar ainda este ano.

A Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos espera que a obra comece ainda neste ano, mas o secretário Rudi Fiorese pondera que o período chuvoso deve deixar o trabalho um pouco mais lento pelo menos neste período.

A obra desde que foi lançada em 2011, teria um alcance grandioso, chegando até o final da Avenida Ernesto Geisel, onde acaba a parte urbana do córrego. Mas, com os atrasos e redução de recursos, a cada mexida no projeto, a obra foi diminuindo e hoje, foi ratificada com mais de 50% menor do que a inicial. O projeto de revitalização do Anhanduí é de 2011 e teve duas licitações e uma ordem de serviço assinadas e canceladas em 2012. Em 2014, também fracassou a segunda tentativa de licitação. Calculou-se que seria preciso R$ 68 milhões para executar o projeto até o final da Avenida Ernesto Geisel, no Aero Rancho, com R$ 28 milhões de contrapartida.

O atual projeto terá agora, um efetivo construído até a Vila Jacy, perto do ginásio Guanandizao, onde em sta primeira etapa, que inclui também o recapeamento da via que margeia o rio (Avenida Ernesto Geisel,  entre as ruas Santa Adélia e Aquário) será executada por duas empresas: dois lotes  pela  Dreno Construção, com sede no Paraná, e um lote pela Gimma Engenharia Ltda, de Minas Gerais.

Locais de extensão atual da Obra

Esta primeira etapa de revitalização das margens do Rio Anhandui,  entre as ruas Santa Adélia e Aquário,  se estende por 2,4 quilômetros, somando 4,8 quilômetros nas  duas margens do rio, onde a erosão coloca em risco as pistas da Norte/Sul a Avenida Ernesto Geisel. Inclui obras de drenagem, recomposição dos taludes e sistema gabião de canalização, recapeamento da Avenida Ernesto Geisel , ciclovia e sinalização de trânsito.

O lote um  (entre as ruas Santa Adélia e Abolição) foi vencido pela empreiteira  Gimma Engenharia Ltda, com a proposta de executar a obra por R$ 13.122.999,21. A empresa Dreno Construções  arrematou os lotes 2 (entre as  ruas Abolição e Bom Sucesso), com o orçamento de R$ 13. 400.000,00  e  3 (da Rua Bonsucesso até a Rua Aquário -perto do Guanandizão), no valor de R$ 21.975.000,94, totalizando R$ 35.375.000,00 os dois trechos.

Esta redução de R$ 7,6 milhões no orçamento  do projeto, que conta com de R$ 47 milhões do Ministério das Cidades, reduzirá a contrapartida  da Prefeitura de R$ 9,1 milhões para, aproximadamente, R$ 4,8 milhões, dos quais R$ 900 mil já estão assegurados com a parceria da Prefeitura com o Governo.

Redução valor 

O certame atraiu 34  empresas concorrentes e possibilitou a redução de 15,57%  na estimativa do custo da obra.  O valor dos três lotes, entre as ruas Santa Adélia e Aquário,  orçado no edital em R$ 56.118.414,08, caiu para R$ 48.497,999,21, uma redução de R$ 7.620.414,98.  O prazo de conclusão é de 18 meses, a contar da assinatura da ordem de serviço.

O lote 1, com 14 empresas na disputa, teve redução de 13,61% no orçamento,   R$ 2.068.144,96 (de R$ 15.191.144,17 caiu para R$ 13.122.999,21. No lote 2, com 8 concorrentes, a redução foi de 12,72%,  R$ 3.203.933,82 ( de R$ 25.178.933,82 para R$ 21.975.000,00). No lote 3, que teve 12 concorrentes, o orçamento caiu de R$ 15.748.336,09, para R$ 13.400.000,00 (redução de R$ 2.348.336,09) 14,91%.

Projeto antigo

O projeto de revitalização do Anhanduí é de 2011 e teve duas licitações e uma ordem de serviço assinadas e canceladas em 2012. Em 2014, também fracassou a segunda tentativa de licitação. Calculou-se que seria preciso R$ 68 milhões para executar o projeto até o final da Avenida Ernesto Geisel, no Aero Rancho, com R$ 28 milhões de contrapartida.

Com a atualização das planilhas, além de alguns ajustes do projeto, o recurso assegurado por um convênio firmado em 2012  com o Ministério das Cidades (R$ 42,7 milhões em valores corrigidos), será suficiente apenas para executar o projeto entre as ruas Santa Adélia e do Aquário, dentro da capacidade atual da prefeitura, para desembolso de contrapartida.

A obra faz parte de um conjunto de ações para controle de enchentes nos bairros Marcos Roberto,  Jockey Clube,  Jardim Paulista e Vila Progresso.  Foram  investidos R$  26 milhões em rede de drenagem e  intervenções em afluentes do rio (os córregos Cabaça e o Areias), que despeja suas águas no Anhandui. O projeto também prevê construção de muros laterais, com placas de concreto e sistema gabião, que permitirá a drenagem e a urbanização com grama.

 

Comentários

comentários