Justiça paulista nega reintegração de posse de escolas ocupadas

Defensora e representantes do Upes, Marcus Kauê, Camila Lanes, Angela Meyer e Lucas Penteado falam sobre decisão de manutenção das ocupações das escolas. (Foto: Rovena Rosa)
Defensora e representantes do Upes, Marcus Kauê, Camila Lanes, Angela Meyer e Lucas Penteado falam sobre decisão de manutenção das ocupações das escolas. (Foto: Rovena Rosa)

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) indeferiu hoje (23), por unanimidade, a liminar requerida pelo governo do estado para reintegração de posse das escolas ocupadas por estudantes em protesto contra o fechamento de 93 unidades educacionais.

A medida faz parte de um processo de reorganização escolar que quer, em 2016, dividir as unidades em três grupos (anos iniciais e finais dos ensinos fundamental e médio), conforme o ciclo escolar. Até sábado (21), 74 escolas estavam ocupadas.

Ângela Meyer, presidenta da União Paulista dos Estudantes Secundaristas (Upes), informou que a decisão judicial é uma vitória, pois reconhece que o movimento ocorre para pressionar a discussão da política educacional com a comunidade escolar.

“A gente ocupa as escolas e dá uma aula de cidadania para discutir a escola que a gente quer. Acho que é uma questão muito importante a não reintegração também pela questão da violência da Polícia Militar, que era nossa principal preocupação se fosse outra a decisão do TJSP.”

Para a defensora pública Mara Ferreira, que representa os estudantes na ação judicial, a decisão permite que as reuniões de conciliação continuem. Segundo ela, também impede que a integridade física dos estudantes seja ameaçada com uma possível ação de reintegração.

“Temíamos a forma como seria feita. Fizemos, inclusive, algumas sugestões no processo para que, caso fosse deferida, deveriam ser chamados os órgãos de garantia de proteção [da infância], que houvesse acompanhamento do Ministério Público e da Defensoria e que [policiais] não entrassem armados.”

Mara afirmou ainda que a Defensoria Pública pede a extinção do processo, tendo em vista que a ocupação não ocorre com intenção de posse, o que invalidaria o pedido da ação judicial. O tema chegou a ser discutido em plenário, mas os desembargadores concluíram que o melhor seria manter a Justiça como mediadora do debate entre estudantes e governo do estado.

Uma audiência de conciliação está marcada para o início da tarde de hoje, mas, de acordo com a defensora, a informação foi dada somente nesta manhã, o que inviabiliza a articulação para comparecimento dos estudantes.

Lucas Santiago, 20 anos, é aluno do supletivo do ensino médio e presidente do grêmio da Escola Caetano de Campos, na Rua da Consolação. Ele comemorou a decisão e reforçou que os alunos estavam preocupados com uma possível ação policial de reintegração. “Estamos ocupando a escola, mas para garantir uma educação melhor, para que escolas não sejam fechadas. A gente não está, como alguns dizem, vandalizando. Pelo contrário, estamos fazendo atividades, aulas públicas, cuidando de um lugar que é nosso.”

Por meio de nota, a Secretaria de Educação do estado informou que a pasta permanece aberta ao diálogo e que o conteúdo pedagógico perdido pelos alunos será reposto após o encerramento do calendário oficial.

Na nota, a secretaria acrescentou que a proposta de reorganização “entregará mais de 700 escolas segmentadas pela idade de seus alunos e que nenhuma escola será fechada. Todas passarão a atender demandas regionais de educação, como ensino infantil (creches) e ensino técnico”.

Agência Brasil.

Comentários

comentários