Justiça autoriza madrasta de Isabella Nardoni a ir para regime semiaberto

G1/JN

A Justiça concedeu nesta segunda-feira (17) progressão de regime à detenta Anna Carolina Jatobá, condenada pela morte da enteada Isabella Nardoni. Com a decisão, a presa vai cumprir a pena no semiaberto e terá direito de deixar a penitenciária cinco vezes ao ano para as saídas temporárias. Anna Carolina está presa em Tremembé (SP) desde 2008.

Anna Carolina Jatobá, madrasta de Isabella Nardoni, está presa em Tremembé desde 2008 – Foto: Reprodução/TV Globo

Além disso, no regime mais brando, ela poderá deixar a prisão diariamente para trabalhar, desde que retorne todas as noites para dormir no local.

A progressão foi concedida pela juíza Sueli Zeraik, da 1º Vara de Execuções Criminais (VEC) de Taubaté. A decisão será encaminhada para a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) ainda nesta segunda.

Após a notificação, a presa deve ser transferida para a ala que abriga presas do semiaberto, onde está Suzane von Richtofen, condenada pela morte dos pais.

A expectativa é que Anna Carolina deixe a prisão pela primeira vez em agosto, na saída temporária de Dia dos Pais.

O advogado da presa, Roberto Podval, foi procurado para comentar o assunto, no escritório de advocacia e no celular, mas não atendeu as ligações até a última atualização desta reportagem.

Pedido

A progressão da detenta do regime fechado para o semiaberto foi um pedido da defesa de Jatobá, feito em abril deste ano. Nele, a defesa de presa afirmava que ela já tinha direito ao benefício por ter cumprido o tempo mínimo exigido para mudar de regime e bom comportamento prisional.

No último mês, após receber o resultado de um exame criminológico e favorável à progressão da detenta e documentos com detalhes de rotina dela em que constavam elogios dos diretores e funcionários da penitenciária, o Ministério Público foi favorável a concessão do semiaberto à Anna Carolina e encaminhou o processo para a decisão da juíza.

“Vale dizer que a gravidade do crime e suas consequências, por mais nefastas e repugnantes que sejam, não podem prevalecer”, diz trecho do parecer do promotor Luiz Marcelo Negrini.

Na decisão, a juíza destacou que a mudança de regime é mum mecanismo facilitador para ressocialização da presa. “Embora se trate de regime prisional mais brando, ainda é bastante vigiado e possibilita a observação de evolução da detenta e seu retorno gradativo à sociedade”, diz trecho do documento.

Planos

O parecer de uma equipe técnica, que produziu em junho laudos psicólogo e psiquiátrico, apontou, sobre o comportamento da detenta que ‘a possibilidade de reincidência é nula’.

Aos especialistas, Jatobá afirmou ser inocente e disse desejar que a verdade sobre o caso apareça. Ela afirma ainda ter aprendido a ser paciente durante os nove anos em que esteve reclusa.

Questionada sobre seus projetos de vida, disse planejar após ter a liberdade definitiva buscar apoio dos familiares, manter o relacionamento com o marido Alexandre Nardoni, – que também está preso em Tremembé- fazer um curso de moda e abrir um ateliê de costura.
“Quero estar com meus filhos. Vou morar em São Paulo ou uma cidade do litoral, trabalhar e tentar viver minha vida. Gostaria que um dia minha vida pudesse voltar ao normal. Gostaria de desenvolver o meu lado espiritual e ajudar as pessoas”, disse. Anna e Alexandre Nardoni têm dois filhos, de 10 e 12 anos.

De acordo com o psiquiatra que fez a avaliação, ela assimilou a gravidade do ocorrido, possui valores éticos e morais e é capaz de manter controle sobre sua agressividade e perspectiva de vida.

Comentários

comentários