Juiz determina inspeção em cela de banqueiro André Esteves

CEO do BGT-Pactual está preso por tentar obstruir investigações da Operação Lava Jato

Banqueiro André Esteves preso Foto: Reprodução
Banqueiro André Esteves preso Foto: Reprodução

Uma inspeção foi realizada na cela do CEO do banco de investimentos BGT-Pactual, André Esteves, na Cadeia Pública Pedrolino Werling de Oliveira (Bangu 8), nesta segunda-feira. A varredura foi determinada pelo juiz Eduardo Oberg, da Vara de Execuções Penais (VEP), após O DIA revelar que o banqueiro preso na última quarta-feira por suspeita de tentar obstruir as investigações da Lava Jato estaria tendo regalias na unidade prisional, conhecida como cadeia VIP.

Um dos pontos polêmicos foi a autorização especial concedida pelo secretário de Administração Penitenciária (Seap), coronel PM Erir Ribeiro Costa Filho, para que a mulher e a mãe do banqueiro pudessem visitá-lo sem passar pelo périplo exigido dos demais familiares de presos. Lilian Esteves esteve com o marido na manhã de sábado, quando teria chegado ao presídio levando um farnel, incluindo, água mineral e um prato de bacalhau do restaurante Antiquarius.

Um juiz da VEP acompanhou a inspeção, iniciada pela manhã. O trabalho se estendeu até o início da tarde. Na ocasião foram analisados os livros de entrada na prisão no fim de semana. Também foram feitas fotografias da cela de Esteves, que esta sozinho no espaço de seis metros quadrados. Nenhuma irregularidade foi encontrada. De acordo com a VEP, parentes são autorizados a levar comida aos presos durante os dias de visita.

A VEP, contudo, não considera comum a autorização especial dada pelo secretário da Seap à mulher e à mãe do banqueiro. O que foi constatado pelo juiz na inspeção, mas não foi divulgado pela assessoria de imprensa da secretaria, que havia confirmado apenas a distinção feita à Lilian Esteves.

Ao chegar em Bangu 8, na madrugada de sábado, Esteves fez a fotografia de entrada no sistema prisional, mas sem ter as madeixas aparadas, como é praxe. Procurada pela reportagem, a assessoria da Seap não se manifestou sobre a inspeção ou as supostas regalias concedidas ao banqueiro.

De acordo com a assessoria da Seap, desde que foi preso Esteves já recebeu a visita de seis advogados, além da mulher e da mãe, autorizadas pelo secretário. Desde que assumiu a secretaria, Erir Filho, segundo a assessoria, já teria concedido 15 autorizações para visitas de pessoas que o procuraram em seu gabinete na Seap. Com relação à inspeção feita por um juiz da VEP, a assessoria informou que o órgão fiscalizador faz vistorias rotineiras em todas as unidades do complexo prisional.

Fortuna de R$ 2,5 bilhões

O banqueiro André Esteves, de 47 anos, foi preso pela Polícia Federal na última quarta-feira, juntamente com o senador Delcídio Amaral (PT-MS), sob a acusação de tentar obstruir as investigações da Lava Jato.
Apontado como o dono da 13ª maior fortuna do País, estimada em 2,5 bilhões de dólares, André Esteves fez doações de campanha nas eleições da ordem de R$ 50 milhões.

No último domingo, o banqueiro, que estava detido provisoriamente, teve a prisão convertida em preventiva pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF). A denúncia foi feita pelo Ministério Público Federal contra André Esteves e Diogo Ferreira, assessor de gabinete do senador Delcídio Amaral</CW>.

Levado para o presídio Bangu 8 na madrugada de sábado, André Esteves teria recebido regalias. Em nota, a assessoria do banqueiro negou que sua mulher tenha levado refeições contendo bacalhau do restaurante Antiquarius.

O DIA

Comentários

comentários