Jovem de 15 anos não tem que trabalhar, e sim estudar, diz secretária ao apresentar ensino médio integral

“O BRASIL TEM QUE ENTENDER QUE JOVEM DE 15 ANOS TEM QUE ESTUDAR E NÃO TRABALHAR”

A secretária de Estado de Educação Maria Cecília Amendola da Motta apresentou na manhã desta sexta-feira (06) do projeto ‘Escola da Autoria’, que prevê escolas exclusivas para ensino médio integral em Mato Grosso do Sul, no evento a secretaria defendeu a prioridade do estudo na vida do adolescente. O estado terá 12 escolas nesse modelo no ano letivo de 2017, as instituições terão metodologia de ensino e infraestrutura diferenciada do molde convencional para agregar melhor os estudantes.

Secretaria Maria da Motta durante apresentação do modelo de ensino (Foto: Michael Franco)

A implantação das escolas de tempo integral acontece em decorrência da Portaria nº 1145 de 10 de Outubro de 2016, produzida pelo Ministério da Educação que institui o Programa de Fomento à Implementação de Escolas de Tempo Integral. De acordo com a secretária, o MEC designou um número específico de escolas para cada estado e MS ficou com 16. “Nós recebemos do MEC a designação de 16 escolas, mas como foi recente, saiu em outubro a portaria, nós conseguimos instituir apenas 12 e isso aumenta nos próximos anos.”

A secretária de Educação destacou que no Brasil existem muitos jovens em idade escolar que trabalham e estudam ao mesmo tempo. E segundo ela, isto passa a ser prejudicial no momento em que o trabalho ganha prioridade na vida do estudante, o que geralmente ocasiona abandono escolar. “O Brasil tem que entender que jovem de 15 anos tem que estudar e não trabalhar” diz a secretária.

Maria Cecília da Motta ressaltou que as escolas exclusivas de tempo integral já foram implantadas em outros estados e resultam no aumento dos índices de avaliação dos estudantes. Em Pernambuco o modelo está presente desde 2004 e atualmente o estado do Nordeste tem a melhor nota nacional do Ensino Médio. “Dá resultado. Claro que no Pernambuco são mais de 10 anos com esse tipo de ensino, aqui só estamos começando mas com certeza dá resultado”, disse Maria Motta.

Mudança

Das 12 escolas, oito estão locadas na capital, e dessas duas já eram de tempo integral. Mesmo com algumas escolas que já seguem o modelo, houve mudanças na infra-estrutura, como instalação de laboratórios, refeitórios e chuveiros, além do estabelecimento de uma nova metodologia de ensino. O projeto ‘Escola de Autoria’ contará com o método do Protagonismo Juvenil que já é adequada à Reforma do Ensino Médio.

Seis escolas de Campo Grande incluídas no projeto tinham o modelo convencional de ensino e contavam com ensino fundamental. A secretária explica que os alunos que não eram do ensino médio foram remanejados para que as escolas fossem exclusivas para o ensino médio de tempo integral. “Foi feito um estudo, conversamos com os pais e com comunidade, vimos as escolas próximas e transferimos os alunos do ensino fundamental para essas escolas. Os do ensino médio permanecem na escola se aceitarem estudar em tempo integral, caso contrário vão para outra escola também.”

A nova metodologia unirá matérias, serão menos disciplinas divididas, para que o aluno tenha menos aulas com o mesmo aprendizado ou com a aquisição de conhecimento ainda maior como conta a secretária. “Eles vão aprender física junto com matemática, por exemplo. As aulas serão menos compartimentadas, serão menos aulas para o estudante se preocupar, mas o aprendizado não é alterado.”

Além das aulas convencionais serão oferecidas matérias eletivas, das quais o aluno escolhe àquelas que possui maior aptidão para que a prática seja prazerosa. “Os alunos vão escolher o que eles gostam mais, vamos ter várias disciplinas ligadas com as matérias tradicionais para que a prática e teoria se conversem e o aluno aprenda”, completou a secretária.

AJA

Além do projeto de escola de tempo integram para o ensino médio, foi apresentado também o AJA/MS – Avanço do Jovem na Aprendizagem em Mato Grosso do Sul. Destinada a jovens de 15 a 17 anos com distorção de idade/escolaridade e que não concluíram o ensino fundamental.

Michael Franco

“Há muitos jovens de 16 anos que ainda estão no quarto ano, por exemplo. O professor não consegue manter a aula atrativa para uma criança de 11 e para um jovem de 16 anos. Então o AJA veio para agregar melhor os jovens que estão com distorção na idade escolar e fazer com que o aprendizado seja recuperado.”, disse Motta.

Em Mato Grosso do Sul o índice de evasão escolar beira os 25%, de acordo com os dados da Secretaria de Estado de Educação, e o ‘AJA’ busca melhorar também estes parâmetros. O projeto também conta com metodologia diferenciada, com professores preparados para receber o aluno com dificuldade de aprendizagem, estudantes que não consideram a escola atrativa e que estão em situação de risco social.

“Em muitos casos esse aluno tem carência cultural, problemas familiares, acha a escola chata, então nós temos que receber e acolher esse aluno. A escola tem que ser atrativa e o aluno tem que gostar de estar nela”, disse a secretaria.

Com disciplinas diferenciadas, o projeto busca fazer com que o jovem não se sinta ultrapassado. O aluno deve se sentir comum em sala de aula. “Tem grafitagem, teatro, música, psicólogo e até um professor de plano de vida, para que esse aluno converse de igual para igual. Ele não vai se sentir ultrapassado como na sala de aula convencional”, completa Motta.

O ‘AJA’ está presente em 35 municípios de MS, para maiores informações consulte a Central de Matrículas, clicando aqui, ou ligando no (67) 3314 – 1213.

Serviço

As matrículas para a rede estadual de ensino foram prorrogadas até a próxima sexta-feira (13). Algumas das escolas de tempo integral ainda contam com vagas disponíveis. Para eetuar a matrícula entre no site da central de matrículas ou ligue no (67)3314-1213.

As escolas que a partir deste anos, são exclusivas para ensino médio de tempo integral são:

Campo Grande: Amélio Carvalho Baís; Emygdio Campos Vidal; José Barbosa Rodrigues; Lúcia Martins Coelho; Manoel Bonifácio; Severino Queiroz; Maria Constança Barros Machado; Waldemir de Barros.

Corumbá: Julia G. Passarinho

Dourados: Rita Angelina Barbosa Silveira

Maracajú: Padre Constantino de Monte

Naviraí: Presidente Médici

As aulas da Rede Estadual de Ensino começam no dia 13 de fevereiro.

Comentários

comentários