HU-UFGD perde recursos de R$ 12,9 mi para obra do Hospital da Mulher e Criança

Maquete eletrônica da obra que perder os recursos liberados em 2012 para a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). O dinheiro agora terá que ser devolvido aos cofres da união

Em nota oficial divulgada no dia 28, o Ministério da Saúde confirmou que Dourados perdeu R$ 12,9 milhões que estavam parados há mais de 3 anos na conta da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) para a construção do Hospital da Mulher e da Criança. O documento, assinado pelo coordenador geral de Planejamento e Orçamento do ministério, Carlos Alberto de Matos, solicita que todos os recursos sejam devolvidos imediatamente pela universidade ao Tesouro Nacional, porque “a UFGD não cumpriu prazos e não evoluiu com o projeto e as metas pactuadas”.

Segundo a nota, “o convênio chegou a ser prorrogado por quatro vezes, e o prazo final expirou em julho”. A nota é uma resposta do Ministério da Saúde ao último pedido de prorrogação de prazo feito pela direção do Hospital Universitário.

“Não há o que se falar em nova prorrogação de prazo deste convênio. (…) De toda a forma, reitere-se que é impreterível que seja providenciada a devolução dos recursos financeiros, no valor de R$ 12.900.000,00 à Conta Única do Tesouro”, afirma o documento.

A emenda de 2010 que garantiu a previsão orçamentária dos recursos que acabaram sendo perdidos, é de autoria do deputado Federal Geraldo Resende. Os recursos estavam na conta da UFGD desde 2012. O parlamentar chegou a fazer denúncias ao Ministério Público Federal alertando para os riscos de perda dos investimentos públicos.

A superintendência do HU disse por meio de sua assessoria, que só será possível um pronunciamento oficial a respeito dessa questão depois da Reunião Extraordinária do Colegiado Executivo HU/UFGD/EBSERH, convocada para esta terça-feira.

O projeto de construção do Hospital da Mulher e da Criança de Dourados previa estrutura de 5 andares, com consultórios de ginecologia e obstetrícia, banco de leite, consultórios de pediatria, Pronto Atendimento Pediátrico (PAP) e salas das residências, atendendo mulheres de Dourados e da região, visando a desafogar a maternidade do Hospital Universitário do município da UFGD, que todas as pacientes que procuram assistência na área de ginecologia e obstetrícia.

Silvio Ferreira, com informações Dourados Agora

Comentários

comentários