Gripe matou 90 pessoas em Mato Grosso do Sul neste ano

A gripe H1N1 voltou a causar morte em Mato Grosso do Sul, depois de um mês sem registros. Conforme o boletim epidemiológico da SES (Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul) um óbito aconteceu recentemente em Campo Grande, cidade que conta com o maior número de vítimas da doença no Estado, 25.

 Vigilância afirma que casos devem ter diminuição por conta da vacinação bem trabalhada - Foto Gizele Almeida/Arquivo

Vigilância afirma que casos devem ter diminuição por conta da vacinação bem trabalhada – Foto Gizele Almeida/Arquivo

Com isso o número de vítimas fatais da doença que estava estagnado em 85, chega a 86. A última vez que o boletim havia mostrado aumento no número de mortos por H1N1 foi na análise de 19 de julho, quando o número havia subido de 82 para 85.

Já os casos confirmados da gripe suína – como é conhecida – apresentaram pequeno salto, passando de 449 no boletim divulgado na semana passada, para 460 agora. O número de notificações também subiu. No boletim anterior, o total era de 1543, sendo atualmente 1576.

No boletim consta ainda uma morte por influenza A não subtipado e três por influenza B, em Mato Grosso do Sul.

Após a capital, a segunda cidade que mais tem registro de mortes por H1N1 em MS, é Naviraí, com sete casos.

Em Dourados, são quatro mortes devido a H1N1, contando com 81 notificações e 30 casos confirmados. No município o aumento é notado nas notificações que contavam na semana anterior com o total de 79.

Ponta Porã, Jardim e Maracaju contam com quatro casos cada. Em Caarapó, Ivinhema e Três Lagoas são três. Com duas mortes estão as cidades de Antônio João, Aquidauana, Corumbá, Laguna Caarapã, Rio Brilhante e Sidrolândia.Amambai, Água Clara, Costa Rica, Coxim, Douradina, Glória de Dourados, Juti, Ladário, Nova Andradina, Ribas do Rio Pardo, Rio Verde, Santa Rita do Pardo, São Gabriel do Oeste e Terenos, contam com uma notificação cada.

Comentários

comentários