Greve nos Correios atinge 40 cidades em Mato Grosso do Sul

O Sintect-MS (Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Mato Grosso do Sul) afirmou que a greve dos funcionários da ECT-MS (Empresa de Correios e Telegrafo), que se iniciou ontem (20), chegou a 40 municípios de Mato Grosso do Sul nesta quinta-feira (21). A paralisação se iniciou com funcionários de 25 cidades, conforme o sindicato, que aponta que a classe quer reajuste de 8%, além de outras reivindicações.

A presidente do Sintect-MS, Elaine Regina Oliveira, em comunicado sobre o movimento aponta que a adesão de carteiros, atendentes e operadores também aumentou. Na manhã desta quinta-feira funcionários impediram a entrada e saída de caminhões no Centro de Triagem de Cargas, na Avenida Presidente Ernesto Geisel, em Campo Grande, mas os funcionários que não aderiram à paralisação não foram impedidos de trabalhar.

A categoria reivindica 8% de aumento salarial e a manutenção de direitos como tíquete alimentação, férias e o plano de saúde. Além disso a categoria exige realização de concurso público, pois haveria falta de funcionários em diversos setores. A categoria reivindica também o não ao fechamento de agências e é contra a privatização dos Correios.

Elaine Regina afirma que a adesão reflete o descontentamento dos trabalhadores. “Isso é reflexo do retrocesso que a direção da empresa quer impor. Só falam em cortar e diminuir direitos. Querem excluir dependentes, como pai e mãe, do Plano de Saúde. Querem diminuir o número de tickets-refeição. Querem acabar com o vale-cultura. Quanto à reajuste salarial, a empresa nem toca no assunto. Isso causou profundo mal-estar na categoria. Nós somos a empresa estatal que paga os menores salários. Isso é fato comprovado. Esse aumento significativo de adesão, de ontem para hoje, mostra a insatisfação da categoria”, analisa.

Empresa

A assessoria de imprensa dos Correios em Mato Grosso do Sul afirma que até o momento, 240 empregados aderiram à greve e há 12 agências fechadas em todo o estado, todas no interior do estado.

Comentários

comentários