Governo renegocia contrato dos combustíveis e estima economia mensal de R$ 95 mil

O reflexo da redução na alíquota de ICMS sobre o litro do óleo diesel, em vigor desde 1º de julho, já começa a produzir resultados no caixa do próprio Governo. A informação é do secretário de Administração e Desburocratização, Carlos Alberto de Assis, que adotou uma postura de ‘dar exemplo’, e renegociou, com a empresa Taurus Distribuidora, os preços que paga pelos combustíveis, entre eles o óleo diesel. Com a medida, o Governo prevê uma economia de R$ 95 mil mensais.

Secretário de Administração e Desburocratização, Carlos Alberto de Assis,
Secretário de Administração e Desburocratização, Carlos Alberto de Assis,

A redução em questão envolve o contrato corporativo número 001/2011, firmado entre o governo e a Taurus Card, formado com Taurus Distribuidora. “Quando aumentam os preços dos combustíveis, as empresas correm para pedir aumento no valor do contrato, então quando reduz, tem que funcionar da mesma forma. É determinação do governador Reinaldo Azambuja economizar”, observou o secretário.

Segundo ele, primeiro o governo negociou redução no preço do litro do diesel, tendo por base a nova alíquota do ICMS, e, depois, a partir da identificação do recuo, também em relação à gasolina no mercado, houve negociação também para este combustível.

Ainda conforme Carlos Alberto, a redução foi de R$ 0,14 para o litro do diesel e de R$ 0,10 em relação à gasolina. Por mês, a frota do governo consome em torno de 450 mil litros de combustíveis. “É um contrato antigo, que funciona e inclusive é referência nacional”, garante o secretário de Administração, que há poucos dias recebeu um representante do Governo do Rio de Janeiro interessado em conhecer a metodologia usada pelo Governo de Mato Grosso do Sul.

Comentários

comentários