Governo envia projeto a AL para ampliar transparência em suas contas

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) revelou na manhã de ontem (16), durante agenda pública na sede da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), no Parque de Exposições Laucídio Coelho, em Campo Grande, que a administração estadual encaminhou à Assembleia Legislativa um projeto de lei que amplia a transparência nas contas da administração.

Reinaldo Azambuja durante discurso na Acrissul
Reinaldo Azambuja durante discurso na Acrissul

“Vamos mandar para a Assembleia Legislativa um projeto de lei, para colocar um painel de transparência para a população conhecer o governo por dentro. Ver quanto arrecada, quanto e como gasta, quem compra, quem constrói, quanto custam as obras, contrato por contrato, o salário dos cerca de 70 mil servidores, inclusive o do governador. Para não terem dúvida de como estamos aplicando o dinheiro público”, revelou Azambuja.

Para o chefe do Executivo Estadual, há um descredito generalizado da população brasileira para com as instituições, o que é prejudicial para governantes e sociedade. Diante disto, ele cobrou dos sul-mato-grossenses que sejam parceiros no combate à corrupção e aos desvios de recursos públicos.

“Precisamos fortalecer as instituições, mostrando transparência, a boa aplicação do dinheiro, com clareza como são feitos investimentos, para melhorar economia e desempenho do governo do Estado”, frisou.

Desoneração

O governador afirmou ainda que a diminuição do ICMS do óleo diesel de 17% para 12% precisa repercutir em demais setores produtivos do Estado, uma vez que a medida ‘dá uma maior dinâmica’ à economia sul-mato-grossense.

“Tem um posto em Três Lagoas que diminuiu R$ 0,50 o litro, hoje ele está sendo competitivo. (outro posto) Do outro lado, em São Paulo, vendia 3,5 milhões de litros e ele vendia 1 milhão, agora podemos inverter essa curva, dando competitividade aos setores da economia”, afirmou.

Ao destacar as vantagens da diminuição do tributo, Reinaldo Azambuja ainda encorajou a população a pesquisar antes de abastecer o veículo, e cobrar dos municípios uma consequente redução em serviços, como o transporte público, que são diretamente atingidos com a redução do ICMS.

Comentários

comentários