Governo cria comissão para fazer auditoria em obras suspeitas

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), reafirmou na manhã desta segunda-feira (3) que assim como está sendo o processo de auditoria da obra do Aquário do Pantanal,“todas as obras em rodovias que são objeto de denúncia serão submetidas a uma auditoria”, disse Reinaldo, que inaugurou nesta manhã o campus da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) em Campo Grande.
O principal objetivo, diz ele, é saber se o serviço contratado corresponde ao executado.

inauguração do campus UEMS (Universidade Estadual De Mato Grosso do Sul) na saída para Rochedo, em Campo Grande
Governador durante inauguração do campus UEMS na saída para Rochedo, em Campo Grande Foto Kerolyn Araújo

De acordo com o governador uma comissão será criada com integrantes do Ministério Público Estadual (MPE), Ministério Público Federal (MPF), Tribunal de Contas do Estado (TCE) e órgãos de engenharia.

O governo criará um grupo que integrará a comissão de auditoria “para que não seja só a posição do Governo”.

A fiscalização das rodovias começou em abril, antes mesmo da Operação Lama Asfáltica, que revelou fraude em licitações estaduais. De lá para cá, o Governo notificou várias empresas que executaram serviços de má qualidade.“Já tínhamos feito uma notificação sobre estas obras em abril. Agora, a auditoria dará mais tranquilidade, para ver o que foi contratado e o que foi entregue, informou,
Após recomendação do MPF (Ministério Público Federal), na semana passada, o governo anunciou a suspensão dos contratos que mantém com a Proteco, incluindo o do Aquário do Pantanal.

UEMS

A inauguração do campus UEMS (Universidade Estadual De Mato Grosso do Sul) na saída para Rochedo, em Campo Grande, ocorre antes do início das aulas do segundo semestre da universidade.

De acordo com o secretário de Estado de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, a obra foi concluída com investimentos da ordem de R$ 47 milhões.

O campus oferecerá os cursos de Artes Cênicas, Geografia e Letras (Português-Espanhol e Português-Inglês); Letras (Bacharelado), Pedagogia e Medicina; Turismo e cursos de Pós-Graduação (mestrados em Letras, ProfLetras e Educação).

O campus ocupa um terreno de 120 mil m², com cerca de 21 mil m² de área construída, divididos em sete blocos distribuídos em salas de aula e administrativos, laboratórios, biblioteca, um teatro, passarelas, bicicletários, subestação, guaritas, além de um lago artificial central e colunas inspiradas em pinturas indígenas.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários