Governo assina Carta de compromisso de ações transversais para o público feminino

(Foto: Paulo Francis)
A vice governadora e secretária de estado de direitos humanos, assistência social e trabalho, Rose Modesto, durante entrevista no programa Capital Meio Dia (Foto: Paulo Francis)

Com objetivo de dispor vagas para mulheres em situação de violência nos cursos oferecidos pela Casa de Qualificação e facilitar o acesso às linhas de microcrédito do Banco Cidadão, o governo de Mato Grosso do Sul assinou ontem (09), uma Carta de Compromisso com a SPPM (Subsecretaria de Políticas Públicas para as Mulheres), no sentido de fortalecer a participação feminina nos espaços de poder.

O documento se insere no compromisso assumido pelo governador Reinaldo Azambuja em março do ano passado, de envolver as pastas da administração estadual no princípio da transversalidade das políticas de gênero como forma de combater a violência e a diferença contra as mulheres no Estado.

A vice governadora e secretária de estado de direitos humanos, assistência social e trabalho, Rose Modesto, afirmou durante entrevista ao Página Brazil na tarde desta quinta-feira (10), o acordo pretende desenvolver ações em conjunto com diversos órgãos, como com a Secretaria de Educação na continuidade do projeto Maria da Penha Vai a Escola, com a Secretaria de Segurança Pública com preparação e qualificação dos policiais para receber as mulheres que sofrem com a violência, na Funtrab com qualificação e formação das mulheres, além com a possibilidade de apoio com o microcrédito cidadão.

“Essa parceria entre os setores é muito importante, pois ajuda e fortalece a causa, porque quando tem o envolvimento de outras pastas resulta em um melhor atendimento das necessidades dessas mulheres. Quando se trabalha essa transversalidade, gasta-se melhor esse recurso, ou seja, o investimento é melhor distribuído, o tempo rende mais, o governo do estado ganha e acima de tudo isso vai refletir nas pessoas que vão receber o nosso trabalho”, explica.

Em relação a programação do mês da mulher, Rose Modesto destaca que várias ações estão sendo desenvolvidas, iniciando na própria casa, trabalhando com todas as secretarias, equipes e profissionais do sexo feminino, com abordagens por meio de palestras de combate a violência. Também há ações que ocorrem nos bairros da Capital, envolvendo as beneficiaria do programa Vale Renda, ações com as mulheres indígenas e mulheres assentadas.

“A ideia é poder levar até essas mulheres, umas vez que elas se encontram distantes dos grandes centros e do acesso a informação, quais são os mecanismos que o estado hoje pode oferecer para ajudar, atender, recuperar e prevenir essa questão da violência”, finaliza.

Paulo Francis

Comentários

comentários