Golpistas presos tinham banco de dados de vítimas para falsificar documentos

Wagner, Cléber e Ewerton durante apresentação da polícia. (Foto: Paulo Francis)
Wagner, Cléber e Ewerton durante apresentação da polícia. (Foto: Paulo Francis)

A Derf (Delegacia Especializada em Roubos e Furtos), apresentou na tarde desta quarta-feira(23), uma quadrilha acusada de falsificar documentos através de dados de terceiros para obtenção de crédito na praça, em Campo Grande.

Os estelionatários foram identificados como Wagner Tadeu Caseiro, 35 anos, que já tinha 10 incidências criminais pelo crime de estelionato, Cléber da Silva Rodrigues, 24 anos, que estava em liberdade condicional pelo crime de furto, e Ewerton Cavasso Rosa, de 26 anos, que até o momento não tinha nenhuma passagem pela policia.

De acordo com o delegado de policia Luiz Alberto Ojeda, o trio é da cidade de Presidente Prudente e região e estaria agindo na Capital desde o inicio do mês. Eles foram presos na tarde de ontem(22), em um imóvel localizado no bairro Marcos Roberto, pois durante a investigação de furtos na região houve uma denuncia anonima de uma residencia com homens suspeitos. Os três foram monitorados até que foi feita a abordagem constatando a atividade ilícita.

Documentos falsos e aparelhos para confecção dos mesmos foram apreendidos na residência. (Foto: Paulo Francis)
Documentos falsos e aparelhos para confecção dos mesmos foram apreendidos na residência. (Foto: Paulo Francis)

Na casa foram apreendidos um notebook, duas impressoras, cartões de crédito, cartões para a confecção de crachás, 14 CPF reais e documentos falsos como carteiras de trabalho, RG, CNH e certidões de nascimento. Alguns documentos estavam com a foto de Ewerton, inclusive o imóvel foi alugado com um dos documentos falsos.

Quadrilha produzia documentos falsos por conta própria. (Foto: Paulo Francis)
Quadrilha produzia documentos falsos por conta própria. (Foto: Paulo Francis)

Luiz Alberto Ojeda acredita que as pessoas que foram vítimas da quadrilha não tenham conhecimento das ações dos mesmos, portanto vão trabalhar na identificação destas pessoas e investigar o motivo que levou ao fornecimento desses dados. “A partir da falsificação contendo principalmente o número do CPF, eram calcados com o comprovante de endereço e comprovante de renda e com isso obtinham o crédito que obviamente utilizavam para fazerem compras no comércio”, afirma o delegado.

Segundo a policia foram identificadas ações da quadrilha em pelo menos três empresas de telefonias com a compra de diversos aparelhos celulares , lojas de departamentos e estabelecimentos bancários da Capital.

Até o momento a policia ainda não conseguiu identificar se há outras pessoas envolvidas no crime e qual o valor do prejuízo causado pela quadrilha, porem as investigações estão em andamento. Todos os envolvidos foram autuados pelos crimes de associação criminosa em flagrante delito, estelionato e falsificação de documentos.

Paulo Francis

Comentários

comentários