Giroto deixa cargo de assessor do Ministério dos Transportes

Edson Giroto pediu afastamento do cargo de assessor especial do Ministério dos Transportes. Na manhã desta quinta-feira (09), agentes da Polícia Federal apreenderam um computador na residência de Giroto, em Campo Grande, no contexto da Operação “Lama Asfáltica” – que apura fraudes em licitações que causaram rombo de R$ 11 milhões nos cofres públicos.

Giroto foi alvo da Operação Lama Asfáltica, desenvolvida pela PF, Ministério Público Federal, Receita Federal e Controladoria Geral da União
Giroto foi alvo da Operação Lama Asfáltica, desenvolvida pela PF, Ministério Público Federal, Receita Federal e Controladoria Geral da União

O fato foi comunicado em nota pelo titular da pasta, ministro Antonio Carlos Rodrigues.

Apesar de Rodrigues citar a operação deflagrada nesta quinta-feira, Giroto alegou “assuntos particulares” para sair do ministério. Ele foi nomeado como assessor especial, mas era cotado para assumir a secretaria executiva, o segundo cargo mais importante do órgão.

Giroto foi secretário municipal de Obras nos dois mandatos de André Puccinelli em Campo Grande. Ele também ficou no comando da pasta por dois anos na gestão de Nelsinho Trad. Também foi secretário estadual de Obras e deputado federal pelo PR. Em 2012, foi candidato a prefeito de Campo Grande pelo PMDB e perdeu no segundo turno para Alcides Bernal (PP).

Confira a nota do ministro:

“O ministro dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues, teve conhecimento, nesta quinta-feira (9/7), da Operação “Lama Asfáltica” da Polícia Federal, Receita Federal e CGU em Campo Grande. O assessor especial do Ministério dos Transportes, Edson Giroto, solicitou afastamento de suas funções no Ministério para tratar de assuntos particulares.”

Em nome de Giroto, o advogado Valeriano Fontoura ratificou que o pedido partiu do próprio Giroto e que o motivo foi para não haver constrangimento nem para o Ministério nem para as investigações pelo fato dele ocupar o cargo, “mesmo ele não sendo réu”, frisou Valeriano.

Comentários

comentários