Gaeco prende em MS agente fiscal denunciado por Alberto Youssef

O agente fiscal aposentado da Secretaria de Fazenda de São Paulo, Ananias José do Nascimento, foi preso pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), nesta sexta-feira (24), passando férias em Mato Grosso do Sul. Ele é suspeito de receber propina para fraudar as fiscalizações do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) paulista.

Ananias é acusado de pegar propina (Foto: Reprodução/TV Morena)
Ananias é acusado de pegar propina (Foto: Reprodução/TV Morena)

Ao sair da sede do Gaeco, em Campo Grande, nesta tarde, Nascimento não quis comentar as acusações.

O agente fiscal estava na fazenda dele em Ribas do Rio Pardo, distante 84 quilômetros de Campo Grande. O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) chegou até ele depois que o doleiro Alberto Youssef, preso na operação Lava Jato, disse que pagou R$ 15 milhões em propinas a fiscais da secretaria e fazenda de São Paulo.

As investigações mostram que os fiscais deixavam de fiscalizar as empresas para cobrar o ICMS em troca da propina. Segundo o promotor do Gaeco de Mato Grosso do Sul, Marcos Alex Vera, ele é acusado de corrupção passiva, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

O Gaeco começou a analisar o patrimônio do investigado há 15 dias. Além da fazenda onde foi preso, o MP também descobriu que Nascimento fazia movimentações financeiras em gado, arrendamento de terras e caminhões. De acordo com o Gaeco, os bens dele são incompatíveis com a carreira de servidor público.

“Agora ele será encaminhado a uma unidade de custódia, a prisão temporária tem um prazo de cinco dias, podendo ser prorrogada por igual período ou preventiva a critério dos investigadores de São Paulo”, explicou Vera.

Operação Zinabre

A operação Zinabre foi deflagrada nesta manhã com apoio da Corregedoria Geral da Administração (CGA) e da Polícia Civil. Segundo o MP, até agora, foi apurado o pagamento de R$ 35 milhões em propinas, valor que deve aumentar no decorrer das investigações.

Cinco agentes fiscais foram presos por corrupção e formação de quadrilha: dois em São José dos Campos e um em Sorocaba, no interior de São Paulo, outro em Mato Grosso do Sul e o quinto suspeito no aeroporto de Natal.

No total, sete mandados de prisão contra fiscais da Secretaria da Fazenda foram expedidos – dois deles ainda estavam foragidos por volta das 19h15.

Esquema

O esquema ficou em operação entre 2006 e 2012 foi relatado pelo doleiro Alberto Youssef durante depoimento a promotores criminais e representantes da Procuradoria Geral do estado. O doleiro está envolvido na operação Lava Jato e teria confirmado que pagou propina para os fiscais do governo estadual em nome de empresas que queriam desconto ilegal.

Segundo as investigações, iniciadas há quatro meses, os fiscais apresentavam multas falsas e exigiam propina para diminuir os valores.

O MP não divulgou o nome das empresas. Segundo o MP, em princípio as empresas são “vítimas” dos agentes fiscais. “O fiscal de rendas compareceu nessa empresa e fez uma exigência ilícita”, afirmou Lemos.

Com Informações G1

Comentários

comentários