Fórum de Caciques abre semana apontando demandas indígenas na AL-MS

Reunião da CCJ da Assembleia (Foto: ALMS)
Reunião da CCJ da Assembleia (Foto: ALMS)

A próxima semana de trabalho na AL-MS (Assembleia Legislativa de MS) será aberta com a 1ª reunião do Fórum de Caciques de Mato Grosso do Sul, que aparece em destaque da semana no Parlamento Estadual. Os deputados recebem e devem participar do encontro que ocorre na tarde de segunda-feira (5), além de atividades ordinárias como as sessões, que terá uma a menos, pois quarta-feira, é feriado de 07 de setembro, Independência do Brasil.

O Fórum de Caciques é resultado de audiência pública realizada no mês de junho, na Casa de Leis, tendo sido proposta pelo deputado Paulo Corrêa (PR), quando então se criou o grupo de trabalho. Agora, com membros indicados ao grupo, começa nesta segunda-feira, às 14h, os trabalhos da comissão. Na oportunidade, serão escolhidos os membros titulares e debatidas as principais demandas das comunidades indígenas de Mato Grosso do Sul.

Representantes da Subsecretaria de Políticas Públicas para a População Indígena e da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e do Trabalho devem estar presentes no encontro. “O Fórum será composto por pessoas que de fato podem representar e falar em nome das comunidades indígenas”, disse Paulo Corrêa.

Santa Missa e CCJR

Na segunda-feira, às 8h30, no Plenarinho, será celebrada a Santa Missa do mês de setembro. A cerimônia, que será conduzida pelo padre Paulo Roberto, da Paróquia Sagrado Coração, é de proposição do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi (PMDB).

Terça-feira (06), às 8h, a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) estará reunida para apresentar a análise dos aspectos legal e constitucional dos projetos dos deputados estaduais, Governo do Estado, Poder Judiciário, Ministério Público Estadual, Defensoria Pública e Tribunal de Contas. Lidio Lopes (PEN), Maurício Picarelli (PSDB), Beto Pereira (PSDB), Renato Câmara (PMDB) e João Grandão (PT) compõem a comissão.

Comentários

comentários