Fluminense teme leilão, mantém cautela, mas Ronaldinho Gaúcho está muito perto de ser reforço

A cautela está em todos os lados nas Laranjeiras. Isso porque o Fluminense está temeroso de um possível leilão para contar com Ronaldinho Gaúcho,. No clube, o negócio virou realidade e a confiança em ter o craque é grande. Para muitos, a situação já está até sacramentada. Para outros, ele já está com um pé dentro do Flu. No Tricolor, ele ganhará cerca de R$ 800 mil, mais premiações por metas, participação na venda de uniformes e um percentual em futuros patrocínios que cheguem ao clube, devido sua contratação. Uma reunião, na quarta-feira, definiu estes termos. O vice de futebol, Mario Bittencourt, em parceria com o diretor de futebol Fernando Simone, estão à frente das negociações.

Ronaldinho está muito próximo de reforçar o Fluminense Foto: HENRY ROMERO / REUTERS
Ronaldinho está muito próximo de reforçar o Fluminense Foto: HENRY ROMERO / REUTERS

O temor se dá por conta da busca da cúpula de futebol em angariar patrocínios e chegar ao valor acordado com o meia. Além disso, o problema maior é que dirigentes do Antalyaspor, da Turquia, estão atentos e cientes de cada passo do craque. Assim, o Fluminense não quer que os valores vazem, para não correr o risco de uma alta proposta turca, cobrindo.

A confiança nas Laranjeiras vem do desejo do Ronaldinho Gaúcho de voltar a morar e atuar no futebol carioca. O orçamento tricolor prevê a contratação de um grande reforço, já que os vencimentos com o departamento de futebol caíram significativamente com a saída de jogadores, como Wagner e Marlone.

Alheio à negociação, está o presidente Peter Siemsen, que só participou da parte da engenharia financeira para bater o martelo nesses valores e dar o aval. Em 2013, os então vice de futebol, Sandro Lima, e o diretor executivo, Rodrigo Caetano, negociaram com Assis para ter o craque, via Celso Barros, presidente da Unimed-Rio, ex-parceira e patrocinadora do Fluminense. Contudo, o grupo político de apoio a Peter e o próprio presidente não quiseram avançar na negociação e Ronaldinho acabou negociando com o Atlético-MG. Naquela época, o valor acordado entre as partes era de R$ 600 mil de vencimentos, além de premiações por metas.

Entre o clube e o representante de Ronaldinho, Assis, duas reuniões já foram feitas e todas agradaram ao jogador. Ronaldinho, inclusive, está no Rio de Janeiro, curtindo as férias, depois que se desligou do Querétaro, do México.

EXTRA

Comentários

comentários