Flávio César e João Rocha disputam o cargo com renúncia iminente do presidente

O presidente afastado da Câmara Municipal de Campo Grande, vereador Mario Cesar (PMDB), deve apresentar pedido de renúncia ao cargo . Nos bastidores, a informação certa é ele vai renunciar nos próximos dias. Mas apesar de não ter manifestado sua vontade oficialmente à Procuradoria, alguns vereadores já se articulam para assumir a Casa até dezembro de 2016.

João Rocha e Mário César articulam para ocupar em definitivo cadeira de Mário César
João Rocha e Mário César articulam para ocupar em definitivo cadeira de Mário César

Nomes como João Rocha (PSDB), que era líder do prefeito também afastado Gilmar Olarte e o presidente em substituição Flávio César (PT do B) são citados como possíveis sucessores.

Ninguém admite que está participando de articulações para a definição da nova presidência da Casa, e quem fala sobre o assunto pede para não ser citado.

Alguns vereadores comentam que João Rocha, que comanda as comissões permanentes de Educação e a de Ética, além da Comissão Processante, estaria em vantagem em relação ao colega Flávio César, pois Rocha teria maior força nas negociações com os parlamentares e tem ainda o apoio do governador Reinaldo Azambuja, que é do mesmo partido..

Roha teria até mesmo feito reunião com o partido para demonstrar sua vontade. “Caso venha a se concretizar essa renúncia do Mario Cesar, a Casa deve escolher e apresentar um nome de unidade”, afirmou.

Para ele, um novo presidente deve ser decidido com serenidade, para haver entendimento e indicação única de quem possa “tocar” a Casa até dezembro de 2016.

Nesta quinta-feira (8) as articulações na Câmara Municipal ficaram mais acirradas para a formação da nova Mesa Diretora da Casa. Hoje dois projetos de lei deixaram de ser votados por falta de quórum na sessão. Não havia o mínimo de vereadores na Ordem do Dia, quando são exigidos pelo menos 15 no Plenário. Muitos parlamentares estavam no prédio, mas em reuniões paralelas, ao que tudo indica discutindo o futuro da Casa de Leis.

Comentários

comentários