FCO em 2016 publica novas normas para concessão de financiamentos

Enelvo Felini, Diretor Presidente da Agraer. (Foto: Paulo Francis)
Enelvo Felini, Diretor Presidente da Agraer. (Foto: Paulo Francis)

O Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (Ceif/FCO) aprovou novas normas para a liberação de recursos para este ano e diretrizes de financiamento que contemplam a proteção ambiental e a recuperação de pastagens degradadas, o incentivo a novas cadeias de produção de interesse econômico e social e o controle mais rigoroso na aplicação do dinheiro.

Os valores de gado adquiridos por meio de recursos do FCO foram reajustados, de acordo com valores de mercado e levando-se em consideração as perdas inflacionárias. A compra de caminhões de até quatro anos de uso por empresas de pequeno e médio porte também foi normatizada.

A partir de agora os veículos financiáveis devem ser compatíveis com o tipo de produção ou de aplicação e também de volume de negócios do proponente. A norma impedirá a utilização dos bens em empreendimentos diversos ao do projeto aprovado.

 De acordo com o diretor presidente da Agraer/MS, Enelvo Felini, o FCO é um programa do Banco do Brasil, entre outros bancos, que oferece aos produtores recursos financeiros com taxa de juros menores, no intuito de auxiliar no desenvolvimento Da região Centro-Oeste.

“Eu não tenho duvida que este ano, em função do aumento das taxas de juros dos bancos, aumentaram-se também um pouco os juros do FCO. Mas o importante que no ano passado foi injetado mais de 280MI na economia do Mato Grosso do Sul, e esperamos que este ano termos mais investimentos para bons projetos, seja em silos, melhoramento genético da nossa pecuária, melhoramento da pastagem, enfim que venha todo esse financiamento para ajudar no desenvolvimento do nosso Estado e gerando mais emprego no campo”, explica.

O produtor que quiser saber mais informações sobre o FCO, basta procurar os escritórios da Agraer, a central em Campo Grande, ou fazer o contato diretamente com os bancos credenciados.

Paulo Francis

Comentários

comentários