Exportações do agronegócio registram recorde em Mato Grosso do Sul em 2015

As exportações sul-mato-grossenses do agronegócio totalizaram 10,6 milhões de toneladas em 2015, volume que supera em  32% o resultado contabilizado no ano anterior, de 8 milhões de toneladas e que representa um recorde histórico. As informações foram apresentadas no Informativo Casa Rural – Retrospectiva 2015, divulgado pelo Departamento de Economia do Sistema Famasul  – Federação da Agricultura e Pecuária de MS.

29agro

As vendas internacionais do setor resultaram em uma receita de US$ 4,48 bilhões, valor que representa 94,7% das receitas totais do Estado com exportação. Na avaliação da gestora do Departamento de Economia da instituição, Adriana Mascarenhas, alguns setores se destacaram, contribuindo efetivamente para o patamar positivo de 2015. “Dentre os produtos exportados, o complexo soja é o destaque, respondendo por 33,5% das negociações. Isso significa que para cada dólar obtido nas negociações com outros países, 33 centavos referem-se às vendas deste complexo”.

O complexo soja é composto por soja em grão, óleo de soja e farelo de soja. De acordo com os dados apresentados no Informativo Casa Rural, as exportações acumularam aproximadamente 4 milhões de toneladas no ano passado, patamar recorde que resultou no faturamento de US$ 1,5 bilhão. “O complexo soja é a locomotiva do agronegócio sul-mato-grossense e em 2015, graças à alta do dólar, o segmento ganhou competitividade no mercado internacional”, destaca o analista econômico do Sistema Famasul, Luiz Gama.

Em sentido contrário ao bom desempenho do segmento agrícola, as vendas externas do complexo carnes, formado pela carne bovina, suína e de frangos, fechou o ano com 315,2 mil toneladas, contabilizando uma queda de aproximadamente 13% em relação ao ano anterior, quando o Estado exportou 361,6 mil toneladas.

Para a analista econômica da instituição, Eliamar de Oliveira, o resultado da comercialização deste complexo está relacionada ao cenário econômico dos principais compradores de carne bovina. “A Rússia, por exemplo, em 2014 era responsável por 43,2% das nossas vendas. Em 2015, esse percentual caiu para 18,5%”, reforça a economista.

Comentários

comentários