Eurico Miranda diz: ‘O único e exclusivo responsável pelo rebaixamento sou eu’

Presidente do Vasco faz mea-culpa por queda e também ataca a gestão de Roberto Dinamite: ‘Cenário de terra arrasada’

Rio – Um dia após o rebaixamento para a Série B, o terceiro nos últimos anos, Eurico Miranda chamou a responsabilidade no Vasco. Em coletiva, nesta segunda-feira, em São Januário, o presidente falou sobre a queda e fez mea-culpa. Eurico também culpou a gestão passada, de Roberto Dinamite, que, nas palavras do dirigente, deixou o Gigante da Colina em um cenário de “terra arrasada”.

Eurico Miranda decidiu sozinho demitir Joel Santana Foto Gazeta Esportiva
Eurico Miranda decidiu sozinho demitir Joel Santana Foto Gazeta Esportiva

“Eu fiz questão de fazer esse pronunciamento sozinho, apesar dos meus vice-presidentes estarem aqui. A primeira coisa que eu quero falar é para que não fique nenhuma dúvida é: o único responsável e exclusivo responsável pelo rebaixamento do Vasco sou eu. E eu estou dizendo isso para não transferir para mais ninguém. Isso é uma mancha irreparável no meu currículo de 50 anos de Vasco. Eu não esperava ter de passar por essa situação, mas eu quero fazer agora as considerações: em primeiro lugar, eu encontrei o Vasco em um quadro que a gente pode chamar de terra arrasada. Eu achei, quando eu assumi, que era uma situação difícil, mas era muito mais difícil o quadro que eu encontrei. Eu encontrei uma situação muito pior. Esse cidadão que estava aqui, que se chama Roberto Dinamite, passou sete anos no Vasco sem recolher um centavo de imposto e de fundo de garantia, me deixando com três meses de atraso de salário, não só dos atletas, quanto do quadro profissional. Tive de pagar os impostos do último ano para poder regularizar uma situação com a Receita. Tive de pagar R$ 14 milhões. É evidente que esse tipo de coisa atrapalha o planejamento e a equipe. Não havia a menor condição, sem regularizar essa situação, de se fazer os investimentos necessários para montar um time competitivo”, declarou Eurico, acrescentado:

“Depois que fizemos isso, se tudo tivesse sido resolvido para que nós pensássemos no futebol, surgiram várias surpresas. Outros débitos que precisavam ser sanados. Vou citar apenas um: água. Uma dívida de R$ 10 milhões. Isso é para mostrar o quanto a situação era complicada. Eu vejo muito mais a instituição do que qualquer outra coisa e por isso tive de focar para regularizar a situação. Hoje podemos dizer que o Vasco tem a situação fiscal regularizada, os impostos são recolhidos regularmente e os salários estão regularmente em dia. Isso foi feito porque aprovam leis nesse país e não as aplicam. Tem uma lei que diz que você para disputar uma competição você precisa ter os salários em dia, os impostos em dia. Mas você vê que muitos não cumprem isso e nada acontece.”

O presidente também reclamou de erros de arbitragem contra o Vasco.

“Pode ter tido muitos clubes prejudicados, mas nenhum foi mais que o Vasco. Em várias partidas, inclusive no último jogo, esse pênalti que não foi duvidoso. Apesar de nós falarmos, nenhuma providência foi tomada pela CBF. E eu digo isso não para nenhuma justificativa pessoal, mas falo isso em homenagem a um grupo de jogadores que se dedicou, a uma comissão técnica que se dedicou e no fim não teve o seu objetivo cumprido. Então quero deixar claro que não estou passando a responsabilidade para ninguém, a responsabilidade é minha”, declarou.

O DIA

Comentários

comentários