Estado pede para usar milhares de dólares apreendidos para construir DOF

DólaresO governo do Estado, para beneficiar o aparato da Segurança Pública estadual, quer liberar e fazer uso de dinheiro, em milhares de dólares, apreendidos por força policiais regionais, na semana passada em Corumbá. As polícias do Estado sempre fazem muitas apreensões, mas como está em ‘dinheiro vivo’, tem que ser confiscado ou resguardado pela Justiça Federal, que é quem tem jurisdição nos casos de trafico de drogas e evasão de divisas, no que se refere a moedas nacional e estrangeira em circulação. Mas, para agilizar uma possível liberação e beneficio ao Estado, o secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, José Carlos Barbosa, entregou nesta sexta-feira (15) ao juiz Odilon de Oliveira, da 3ª Vara Federal de Mato Grosso do Sul, um ofício solicitando a doação dos U$ 2,4 milhões (equivalente a R$ 8 milhões) que foram apreendidos durante a operação “Corumbá Segura II’.

O pedido do atual titular da Sejusp, engloba uma ideia já pré determinada para a construção da sede do DOF (Departamento de Operações de Fronteiras), em Dourados, que gere e faz uma das principais defesas e realização policial nas fronteiras do Estado. O grupamento participou do flagrante a uma casal que estava com a ‘fortuna’ em dólares, que foi realizado na noite do último sábado (9). No posto fiscal do Lampião Aceso, localizado na rodovia BR-262, decorreu a ação organizada pela Secretaria de Segurança Pública, com o Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira e DOF, acompanhados pela Polícias Federal e Rodoviária Federal (PRF). “O DOF tem contribuído para o Estado e para sociedade no combate ao crime organizado, mas ainda não obteve o devido reconhecimento, uma vez que, sequer possui uma sede própria”, disse Barbosa.

Para o secretário, o bom desempenho do DOF se comprova pelos seus próprios números, uma vez que, só nos seis primeiros meses de 2016 apreendeu 35 toneladas de drogas e prendeu 215 pessoas em flagrante por tráfico de drogas; apreendeu R$ 158 milhões em mercadorias (cigarro, pneus, medicamentos e eletrônicos, entre outros) produto de contrabando/descaminho e prendeu 93 pessoas pelo mesmo crime; recuperou 94 veículos furtados; apreendeu um total de 321 veículos e prendeu um total de 490 pessoas.

Barbosa lembra que, apesar de existir as parceria para a execução de operações e outros trabalhos conjuntos, pouquíssimas são as contrapartidas financeiras ou apoio do Governo Federal, pois a quantia apreendida será revertida somente para a construção de delegacias da Polícia Federal, conforme já foi divulgado na imprensa local. MG_6007-copiar-1038x576“Estamos recorrendo à sensibilidade do juiz Odilon, no sentido de revertermos esta ação e disponibilizar a quantia que foi apreendida nesta operação conjunta para construção da sede do DOF em Dourados. Já existe uma área de 14.700m², que é propriedade do Estado, destinada para construção do prédio, faltando apenas o recurso para o início das obras”, relatou o secretário durante a reunião.

Na oportunidade, o juiz federal Odilon de Oliveira informou que vai verificar a possibilidade de destinar parte desta quantia para a construção do departamento, que tem realizado um excelente trabalho de combate ao tráfico de drogas. Mato Grosso do Sul possui 1.517 quilômetros de fronteira, sendo 549 quilômetros de fronteira seca com países como Paraguai e Bolívia, fazendo com que o Estado se torne uma importante rota do tráfico de entorpecentes, de armas e contrabando.

Departamento

O DOF foi criado em 28 de maio de 1987, por meio da Resolução n. 119/87. Inicialmente era chamado de Grupo de Operações de Fronteira (GOF) e sua missão era realizar o policiamento na região da grande Dourados, combatendo os crimes de narcotráfico, furto/roubo de veículos de cargas, furto/roubo em propriedades rurais e outros crimes específicos na região.

Devido à distância da sua área de atuação, em 1989 a sede do Grupo foi transferida para um imóvel alugado na cidade de Dourados. No de 1994 passou a ocupar outro imóvel em regime de comodato, onde está localizado até hoje. Sua missão foi ampliada e passou a ser o policiamento ostensivo itinerante em toda a faixa de fronteira do Brasil com o Paraguai.

Assim, por conta de seus bons resultados, em janeiro de 1996 passou a denominar-se DOF. Já em maio de 1999 começou fiscalizar também a fronteira com a Bolívia e atualmente possui atuação em 51 municípios do Estado, abrangendo inclusive a área rural.

Comentários

comentários