Energia sobe 2,74% para consumidor residencial de MS

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou ontem o reajuste tarifário de 2,74% para os consumidores residenciais de 73 municípios de Mato Grosso do Sul que são atendidos pela Energisa.

Para outras categorias de consumidores o reajuste médio terá outros percentuais, conforme a Aneel. Para os que utilizam alta tensão o aumento médio é de 3,64%. Para baixa tensão de 3,02%. A média de reajuste concedido para a concessionária no estado, considerando alta e baixa tensão foi de 3,22%.

Os novos valores, conforme a agência, serão aplicados já a partir desta quarta-feira (8), para 942 mil unidades consumidoras atendidas pela Energisa em Mato Grosso do Sul.

Para calcular o reajuste, a agência aponta que considerou a variação de custos que a empresa teve no ano. O cálculo inclui custos típicos da atividade de distribuição, sobre os quais incide o IGP-M, e outros custos que não acompanham necessariamente o índice inflacionário, como energia comprada, encargos de transmissão e encargos setoriais.

A presidente do Concen-MS (Conselho de Consumidores de Energia Elétrica de Mato Grosso do Sul), Rosimeire Cecília da Costa, avalia que o reajuste foi menor que o previsto.

“O reajuste, bem abaixo das expectativas iniciais, foi possível porque o valor do kWh já foi reposicionado na RTE [Recomposição Tarifária Extraordinária] e também devido ao prolongamento do prazo para pagar empréstimos que as distribuidoras de energia obtiveram no mercado para cobrir os gastos com o uso das termelétricas, solicitação central do Concen, formalizada em 29 de janeiro, quando protocolamos uma carta junto à Aneel”, comenta.

Outros aumentos deste ano

No fim de fevereiro, a Aneel já havia autorizado um aumento 27,9% no valor da energia elétrica distribuída pela Energisa em Mato Grosso do Sul em razão de uma revisão extraordinária das tarifas.

A revisão extraordinária autorizou um aumento extra nas contas de luz em razão de um desequilíbrio nas contas das distribuidoras. Já o aumento autorizado nesta terça (7) é um reajuste ordinário, que ocorre uma vez por ano.

Além dos reajustes na tarifa, o consumidor também está pagando mais caro pela energia no estado porque está em vigor a bandeira tarifária na cor vermelha, o que significa que as condições para a geração de energia no país estão mais custosas e que a tarifa terá um acréscimo de R$ 5,50 (sem impostos) para cada 100 kWh consumidos.

Comentários

comentários