Enem começa hoje para mais de 8 milhões diante de um cenário de manifestações

Diante de um cenário de manifestações em locais de prova, ações judiciais e medidas de reintegração de posse envolvendo 18 estados e o Distrito Federal, o governo federal manteve a realização hoje e amanhã do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) para cerca de 8,5 milhões de estudantes. Mas foram adiadas para o início de dezembro as provas de 240,3 mil candidatos, escalados para os 364 locais – entre escolas, institutos e universidades – ocupados em protesto à PEC do Teto, que congela os gastos públicos por um período de 20 anos e à reforma do ensino médio.

Alunos protestam pelo país afora (Foto: Divulgação)
Alunos protestam pelo país afora (Foto: Divulgação)

Ontem, o MEC (Ministério da Educação) ainda cogitava acionar os estados para que a Polícia Militar reforce a segurança nos locais de realização dos testes. Em Minas Gerais, 60.659 estudantes deixarão de fazer as provas em 90 locais (29 em Belo Horizonte) – o que colocou o estado no topo do ranking de instituições atingidas e alunos afetados pelo adiamento do exame para 3 e 4 de dezembro.

O MEC não descartou a possibilidade de adiar o Enem em mais locais a partir de hoje, caso haja risco aos participantes ou alguma situação que atrapalhe a aplicação das provas.

“A avaliação das condições de segurança e inviolabilidade do exame serão avaliadas localmente por cada coordenador, para que possa ter certeza de que está garantida a segurança daqueles que vão se submeter ao Enem”, disse o ministro da Educação Mendonça Filho. “Nem que o número possa crescer para 300 mil, 500 mil candidatos, mas que se tenha a certeza que todos que se submeterão ao Enem na primeira leva possam ter a tranquilidade de entrar no local de prova com a certeza que estão num local seguro”, acrescentou.

Na sexta-feira, o governo ainda trabalhava com a possibilidade de início de novos protestos na madrugada de hoje, o que inviabilizaria a realização da prova nesses locais. Caso isso ocorra, os estudantes farão a nova prova em 3 e 4 de dezembro, com os demais inscritos. Caso os estudantes façam o primeiro dia de prova e sejam impedidos de fazer o segundo, eles farão apenas o segundo o dia de prova na nova data. De acordo com o MEC, os critérios de correção do Enem garantem o mesmo grau de dificuldade e nenhum estudante será prejudicado. Os novos locais de prova serão informados aos candidatos que tiverem o exame cancelado com a devida antecedência para que possam se organizar, assegurou Mendonça Filho.

O ministro da Educação voltou a afirmar que a decisão de adiar as provas nos locais ocupados foi a mais acertada, pois mudar o local da prova poderia levar a uma mudança da ocupação. “Como ficaríamos nessa situação? Ficaríamos numa mudança quase que ilimitada e infindável.” Não serão afetados os estados do Acre, Amazonas, Amapá, Ceará, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e São Paulo. Ao todo, o exame tem 8.627.248 inscritos, dos quais 2,79% não farão as provas marcadas para hoje e amanhã.

Comentários

comentários