Em MS, 99,44% do rebanho foi vacinado contra a febre aftosa

Índice superior ao do ano anterior evidencia nível de conscientização do produtor e qualidade do trabalho da Iagro

Dados da Secretaria de Estado de Produção e Agricultura Familiar (Sepaf), por meio da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (IAGRO) apontam que 10.034.875 bovídeos (bovinos e bubalinos) foram vacinados contra a febre aftosa em todo o Estado.

18agro

Este número representa 99,44% do total de envolvidos na etapa, 0,04% maior que o último índice alcançado nesta mesma etapa, em 2014.
Com base no número de animais, foram imunizados 9.972.237 bovinos e 6.508 bubalinos.

O relatório final apresentado pela Iago aponta que ao todo, foram fiscalizadas 223 propriedades (236.670 animais) e tiveram vacinação assistida outras 264, onde foram vacinados 45.217 animais. Em outras 3.186 propriedades, 85.077 animais foram vacinados com agulha oficial.

Ao encerrar a campanha, o diretor-presidente Luciano Chiochetta, lembrou que Mato Grosso do Sul não registra focos da aftosa há 10 anos “O produtor rural está atento e consciente da importância de manter a sanidade do seu rebanho principalmente para buscar novos mercados consumidores”, disse.

Dados recentes divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram a importância do rebanho brasileiro de bovídeos, com 212,3 milhões de cabeças. Mato Grosso do Sul se destaca neste cenário como o quarto maior rebanho de bovinos, o que potencializa a responsabilidade.

Para o Secretário Fernando Mendes Lamas, as diretrizes estabelecidas pelo governador Reinaldo Azambuja, que enfatizam a importância do trabalho na área de sanidade, vêm de encontro com a preocupação da população de um modo geral com o que se está consumindo e, cada vez mais, com a qualidade do que se está sendo consumindo, além de proteger a economia do Estado, que tem na sua base a produção na agropecuária. “Ao atingir a meta de vacinação imediatamente damos inicio ao ciclo seguinte do trabalho. Nossa vigilância é constante”, reforçou o secretário.

Comentários

comentários