Em entrevista, Mochi fala sobre concurso da AL, recadastramento e crise política

Em entrevista ao Programa ‘Bom Dia Presidente’, da Rádio Assembleia, o deputado estadual Junior Mochi (PMDB) falou na manhã desta quarta-feira (16), sobre vários temas atuais, entre eles o primeiro concurso público a ser realizado pelo Parlamento Sul-Mato-Grossense.

Júnior Mochi durante a entrevista (Foto: Roberto Higa )
Júnior Mochi durante a entrevista (Foto: Roberto Higa )

O processo já teve início, com a divulgação do Edital de Licitação para contratar entidade especializada para a realização do certame.

“É importante salientar que criamos uma comissão de organização de concurso, solicitamos a participação do Ministério Público do Estado e da Ordem dos Advogados do Brasil, que indicaram membros para acompanhar todos os procedimentos, desde a contratação da empresa até a aprovação daqueles que serão submetidos ao certame. Desta forma, vamos garantir a lisura de todo o processo”, afirmou.

A Licitação será na modalidade Pregão Presencial, no tipo menor preço global. A abertura do certame será dia 1º de abril, às 9h. O local da entrega dos envelopes será no Plenarinho Nelito Câmara.

A empresa terá a finalidade de planejar, organizar e executar todo o concurso, com a elaboração, impressão, aplicação de provas, respostas de recursos interpostos e apuração de resultados, com vistas ao provimento de cargos efetivos, de nível médio e superior do quadro de pessoal da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul.

Recadastramento 

Junior Mochi também falou da importância do PAC (Programa de Atualização Cadastral) dos servidores ativos, inativos e pensionistas da Casa de Leis, que teve início no dia 1º de março.

 

“É uma parceria com o Governo do Estado para recadastrar todos os servidores públicos. A Assembleia quer saber onde estão e como estão os funcionário da Casa. Além disso, é indispensável tomar conhecimento sobre a condição profissional. Identificar o perfil dos servidores nos permitirá introduzi-los na função correta”, explicou.

Os formulários de atualização cadastral serão recebidos até o dia 15 de abril. Devidamente habilitado, o servidor deverá fazer pessoalmente a entrega do documento no Plenarinho. A atualização é obrigatória para todos os servidores.

Crise política 

“É a travessia do País que temos para o País que vivemos”. Assim analisou Mochi o momento de crise política vivido pelo Brasil.

Sobre as manifestações populares, o presidente disse que é imprescindível interpretar o sentimento da população.

“São muitos pessoas envolvidos nas investigações da Justiça Federal, não são políticos somente. Empresários e servidores públicos também estão sendo presos por terem cometido atos ilícitos. A sociedade está mudando o comportamento. Não existe mais espaço para corrupção. As manifestações foram importantes, pois a população deixou claro que não aceita mais determinados procedimentos. O Brasil passa por este momento de travessia e, tenho convicção, que vamos sair com valores bem melhores daqueles do início desta crise sem precedentes que o Brasil vive”, avaliou.

Na Casa de Leis, a Mesa Diretora tem criado mecanismos de transparência pública. “Ampliamos os canais de diálogo com a sociedade, implantamos o Colégio de Líderes e abrimos a Casa para todos os segmentos. Estamos em processo de criação da Ouvidoria, justamente para que os laços com a população sejam estreitados. Todas as ações internas da atual Mesa Diretora visam melhorar a gestão e fortalecer a credibilidade do Poder Legislativo”, encerrou.

Comentários

comentários