Em comemoração ao Setembro Verde, Santa Casa promove passeio ciclístico

Santa Casa promove passeio ciclístico (Foto: Divulgação )
Santa Casa promove passeio ciclístico (Foto: Divulgação )

Com o objetivo de conscientizar a população sobre a necessidade da doação de órgãos e provocar a discussão do fato nas famílias e outros grupos sociais para que as pessoas, conversando, convençam-se da necessidade e comuniquem a decisão aos familiares, melhorando a performance das captações e, consequentemente, os transplantes, a ABCG -Santa Casa irá realizar no dia 25 de setembro, a segunda edição do passeio ciclístico

“Pedalando pela Vida”.

O evento terá concentração na rua Eduardo Santos Pereira, em frente à Santa Casa, a partir
das 8h com saída prevista para às 9h. O trajeto passa pelas seguintes ruas: parte da concentração, segue pela rua Treze de Maio até a avenida Mato Grosso, seguindo à direita por esta rua até a Calógeras. Segue por esta até a avenida Afonso Pena e sobe nesta sentido centro até a rua Padre João Crippa, nesta contorna na própria avenida, regressando pela mesma até a rua Rui Barbosa, onde vira à direita seguindo até a rua Eduardo Santos Pereira, em frente à Santa Casa.

Os participantes irão concorrer a prêmios como o sorteio de bicicletas e, além disso, ganharão squeezes e os 300 primeiros participantes ganharão camisetas. O evento será gratuito.

Setembro Verde

Setembro é o mês de informação e conscientização das pessoas sobre a necessidade da doação de órgãos e, em todo o País, se alude a este fato utilizando a cor verde como símbolo da campanha que se chama “Setembro Verde”.

O objetivo é chamar a atenção da sociedade para o grande número de pessoas que estão na fila de espera por um órgão e o baixo índice de doadores. A população pode expressar a vontade de fazer doação de órgãos. É preciso apenas informar a família, já que após a morte, apenas os familiares podem autorizar o transplante.

Em vida, pode ser feita a doação de órgãos duplos como rim, parte do fígado, parte do pulmão e a medula óssea. Uma das tarefas mais difíceis para se efetivar uma doação de órgãos é a recusa dos familiares, que, normalmente, fundam sua decisão na alegação de não saber qual desejo do ente falecido a respeito do fato. Por esta razão, terminam optando pela negativa quando entrevistados pelo CIHDOTT (Comissão Intra-hospitalar de Doação de órgãos e Tecidos para Transplantes) da Santa Casa.

Comentários

comentários