Em Campo Grande 25 vereadores vão tentar a reeleição este ano

Vereadores de Campo Grande que entraram na disputa pela reeleição afirmam que confiam no trabalho que desenvolveram nos últimos 4 anos e confiam no retorno ao cargo. Nem mesmo os recentes escândalos, como a Coffee Break, afastam a confiança dos parlamentares.

re

Dos 29 vereadores , 25 tentarão se reeleger. Às vésperas da campanha, os três vereadores de Campo Grande, que haviam desistido da reeleição, confirmaram a decisão, após o período de convenções partidárias. Mario Cesar (PMDB), Airton Saraiva (DEM) e Herculano Borges (SD) não serão candidatos este ano. Marcos Alex (PT) disputará a eleição, mas para prefeito da Capital.

Herculano Borges adiantou que prosseguirá na atividade política, dedicando-se ao crescimento de seu partido, o Solidariedade, em que é presidente do diretório municipal. Ele também sonha com uma cadeira de deputado estadual em 2017 e torce pela eleição do deputado Ângelo Guerreiro (PSDB) a prefeito de Três Lagoas, para ocupar sua cadeira no Legislativo Estadual, já é primeiro suplente.

Saraiva anunciou nesta semana que não ir pleitar o que poderia ser o seu quinto mandato no Legislativo municipal. Contudo, o democrata apontou que não está desistindo devido ao momento atual de crise e eleição dura que virá pela frente.

Saraiva, apesar de ser um dos denunciados pela Operação Coffee Break, alega que não irá para o pleito eleitoral 2016, porque já cumpriu seu papel no Legislativo local e decidiu construir desde já um novo projeto, junto com seu partido, para ampliar sua atuação.

Ele aponta que quer seguir em uma nova ‘missão’, para contribuir agora, com todo o Estado. Assim, já revela e ressalta que o objetivo é buscar e conquistar de fato uma cadeira na AL-MS (Assembleia Legislativa de MS). Para isso, vai se dedicar ao Projeto já em 2017, quando não estará com mandato, voltando a exercer somente o ramo empresarial do qual faz profissionalmente na Capital.

Já Mário Cesar pretende, ao fim do segundo mandato, retomar as atividades de auditor fiscal do Município, da qual se afastou para legislar pelo Município. “Tenho 26 anos de carreira e quero retomá-la”, disse, sem descartar um pleitear um novo cargo eletivo no futuro.

Comentários

comentários