Eleitor poderá auditar resultado de seções eleitorais pelo celular

Uma das tecnologias com maior potencial do Século 21, o QR Code ou Código QR – código de barras em 2D que pode ser escaneado pela maioria dos aparelhos celulares que têm câmera fotográfica – vai ser utilizada pela Justiça Eleitoral nas eleições de 2016 para facilitar o acesso de qualquer cidadão às informações contidas nos BU (Boletins de Urna), que são impressos após o encerramento da votação e afixados em quadros de aviso nas seções eleitorais.

O celular vai ajudar o eleitor a auditar votos da urna
O celular vai ajudar o eleitor a auditar votos da urna

A alteração não terá custos para a Justiça Eleitoral, já que o uso do Código QR é livre de qualquer licença.

Com a utilização do código de acesso rápido, eleitores e fiscais de partidos políticos poderão, de forma rápida, segura e simplificada, escanear e armazenar os dados em seus dispositivos móveis (smartphones ou tablets).

Como os dados do boletim são codificados, com a identificação numérica de candidatos, partidos e municípios, um aplicativo da Justiça Eleitoral vai ser desenvolvido para permitir a decodificação, facilitando o entendimento das informações.

O Código QR permite o armazenamento de uma quantidade significativa de caracteres e o que será utilizado pelo TSE é o alfanumérico, com nível máximo de compressão de dados.

Este será um dos novos aplicativos para sistemas operacionais iOS e Android, entre vários que serão oferecidos pela Justiça Eleitoral para as eleições de 2016. Atualmente é possível baixar aplicativos que permitem consultar informações sobre candidatos, pesquisar locais de votação e pontos de entrega da justificativa eleitoral, além de acompanhar, em tempo real, a apuração dos votos.

A inclusão do Código QR nos Boletins de Urna foi aprovada pelo Grupo de Trabalho do Ecossistema da Urna Eletrônica, que se reuniu na sede do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) nos dias 18 e 19 deste mês. O aplicado será desenvolvido pelo TRE do Acre em parceria com o GT (Grupo de Trabalho) Mobile.

TSE

Comentários

comentários