Eleitor é detido ao fazer ‘selfie’ na urna e polícia investigará possível compra de voto

Ilustração (Reprodução)
Ilustração (Reprodução)

Um eleitor foi preso por volta das 11h deste domingo fazendo um selfie no momento que votava. De acordo com a assessoria de imprensa do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul), o flagrante foi na Escola Estadual Professora Ada Teixeira dos Santos Pereira, no Jardim Campo Belo, bairro do norte de Campo Grande.

Foi o presidente da sessão onde aconteceu a irregularidade que chamou a Polícia Militar. O celular do eleitor foi apreendido imediatamente pelo próprio presidente da mesa e encaminhado para investigação de compra e venda de voto.

O TRE ainda não tem informações sobre para onde o eleitor foi levado, mas todos os presos por enquanto todos os presos estão sendo encaminhados para a sede da Polícia Federal para averiguação.

O juiz eleitoral, David de Oliveira Gomes Filho, titular da 36ª zona eleitoral, explica que a foto pode ser usada pelo eleitor para provar a algum candidato ou coligação que ele realmente votou em determinada pessoa, ou seja, uma comprovação para a compra do voto.

“O self viola o sigilo do voto. Esta fotografia pode ser usada para mostrar ao candidato que poderia estar comprando o voto que o eleitor cumpriu a palavra de votar”, detalha o magistrado.

A penalidade que será aplicada depende da investigação – pode ser multa, prisão – e a pessoa fica detida até a liberação do juiz.

Comentários

comentários