Eduardo Cunha é preso em Brasília e tem casa no Rio ‘investigada’

Eduardo-Cunha-2-11-300x200O ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), finalmente foi preso pela Polícia Federal. O ex-parlamentar foi pego em Brasilia no fim da manhã desta quarta-feira (19), em pedido de previsão preventiva, ou seja por tempo indeterminado, para responder sobre um dos processos da Operação Lava Jato. Cunha foi preso, em apartamento dele na Capital Federal, como ainda sua casa no Rio de Janeiro foi alvo de operação de buscas e apreensão.

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça, determinou a prisão ontem (18) do ex-presidente da Câmara e deputado cassado, que foi só cumprida hoje, muitas horas depois. Moro cumpriu o esperado pedido de prisão, após muita pressão da sociedade, em tempo de um ano que apareceu a primeira denuncia contra Cunha, com o dinheiros sujo na Suíça e a mais de um mês que o deputado foi cassado e perdeu suas prerrogativas e foro privilegiado como parlamentar.

Cunha agora como réu de primeira instancia na Justiça, tem a previsão da Polícia Federal (PF) de que seja levado e chegue a Curitiba no fim desta tarde, onde corre o Processo da Lava Jato. Moro acatou denúncia e Cunha virou réu na Lava Jato na semana passada, como whatsapp_image_2016-10-19_at_13_de7qyp4o Página Brazil também noticiou.

O peemedebista perdeu o mandato de deputado federal em 13 de setembro, após ser cassado pelo plenário da Câmara. Com isso, ele perdeu o foro privilegiado, e ficou sem o direito de ser processado e julgado no Supremo Tribunal Federal (STF).

Réu 

A ação contra o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) chegou à 13ª Vara de Curitiba, e ao juiz federal Sérgio Moro responsável, pelas ações em primeira instância da Operação Lava Jato, na última quinta-feira (13). Moro acatou a denúncia contra o deputado cassado e deu o prazo de dez dias para que o acusado apresente uma resposta.

Cunha no processo que agora responde tem diversas acusações, que há ano vem sendo reveladas e discutida no Brasil, que levou sua cassação após 11 meses de ação na Câmara. Ele é acusado de usar contas na Suíça para lava o dinheiro, como ainda de receber cerca de R$ 2,4 milhões em propinas para contratos firmados pela Petrobras em Benin, na África. Por essa denúncia ele é réu pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e falsidade ideológica com fins eleitorais.

Comentários

comentários