Durante retorno do legislativo, Bernal e vereadores tentam promover a paz

A primeira sessão legislativa de 2016 da Câmara Municipal de Campo Grande começa com o plenário lotado e a presença do prefeito Alcides Bernal (PP).

Foto Silvio Ferreira
Foto Silvio Ferreira

O tom conciliatório dos líderes dos partidos na cerimônia de início do ano legislativo não deve ir muito além da abertura dos trabalhos, já que a tônica dos pronunciamentos em um ano de agenda eleitoral terá críticas cada vez acentuadas ao Poder Executivo municipal e uma relação conturbada.

O plenário da Câmara, cujas paredes foram pintadas durante o recesso do Legislativo – o espaço da mesa diretora recebeu o azul profundo da bandeira de Campo Grande -, precisará mais de engajamento do que de tinta para tirar a Capital – através da gestão – do cenário de crise econômica, financeira, institucional e ética pela qual todo o país – e Campo Grande não é exceção – atravessa.

Bernal que viveu um hiato no mandato de prefeito entre março de 2014 e agosto de 2015 voltou ao comando da administração municipal, mas até agora não conseguiu resolver seu principal problema, a relação com vereadores.

Nos últimos meses, o prefeito não conseguiu sanar problemas antigos com parlamentares da oposição e ainda conquistou novos adversários na Casa de Leis, com entrada da bancada do PT no bloco dos independentes. As críticas contra Bernal aumentam a cada dia e se tornou comum ouvir de vereadores velhos discursos como justificativas da cassação do prefeito em 2014.

Antes de iniciar os trabalhos no parlamento após recesso, o presidente da Câmara Municipal, João Rocha (PSDB) se reuniu com o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), e ambos garantiram que a relação será pacifica no último ano de mandato.”Há todas as possibilidades para ter harmonia entre os poderes. Aqui há homens e mulheres de respeito e caráter. A promessa de manter cordialidade entre Câmara e Prefeitura não é de hoje.

Bernal por sua vez disse que “os que querem brigar com ele vão cansar, porque o objetivo é focar nos problemas da cidade que são muitos: buracos, Aedes aegypti, administração das finanças. A proposta que eu fiz é a de sempre, trabalhar com paz, justiça e trabalho”, afirmou.

Silvio Ferreira com Jackson Nogueira

Comentários

comentários