Dupla que aplicava “Golpe do Ferro” em diversos Estados é presa em MS

Thiago e Adenir foram presos pela DECO. Eles são acusados de praticar o mesmo crime em vários estado do pais. (Foto: Paulo Francis)
Thiago e Adenir foram presos pela DECO. Eles são acusados de praticar o mesmo crime em vários estado do pais. (Foto: Paulo Francis)

A DECO (Delegacia Especializada no Combate ao Crime Organizado), apresentou na tarde desta sexta-feira(25), uma dupla responsável por aplicar um golpe em dois empresários do interior do Estado. O crime envolvia a negociação de 20 toneladas de ferro, que seriam comercializadas ao valor de 48 mil reais, na qual foi apelidada pela polícia de “Golpe do Ferro”.

Os acusados foram identificados como Thiago Henrique Amiso Martins, 30 anos, e Ademir Cândido de Jesus, 62 anos, naturais de Coxim e São Gabriel do Oeste, foram presos através de uma investigação especializada e do reconhecimento das vítimas por meio de fotografias. Eles haviam acabado de retornar de Goiás, onde também tentaram aplicar o golpe, porem a compradora desistiu de efetuar a transação.

Quadrilha tinha notas e crachá falso. (Foto: paulo Francis)
Quadrilha tinha notas e crachá falso. (Foto: paulo Francis)

De acordo com a delegada Ana Claudia Medina, os autores e apresentaram como funcionários de empresas, como o DNIT(Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes) e Gerdau, uma empresa que atua no ramo de ferro, e inclusive tinham crachás e notas falsificadas das empresas.

A ação dos criminosos aconteceu no dia 3 de setembro, quando Thiago contatou dois comerciantes de Coxim e São Gabriel do Oeste, para vender 20 toneladas de barras de ferro, que seriam ponta de estoque da Gerdau. O encontro com os comerciantes foi na Avenida Mato Grosso, em frente ao DNIT, em seguida as vítimas foram levadas para o pátio da Gerdau, onde viram um caminhão sendo carregado. Thiago falou aos comerciantes que a transação estava tudo certa e que o próximo caminhão seria o deles, mas teria que leva-loas até um prédio, no bairro Amambaí, para assinar as notas e efetuar o pagamento para o “Doutor”.

Chegando ao local Edmir estava de terno, alegando que estava em uma reunião. Os comerciantes assinaram as notas a entregaram os R$ 48 Mil Reais em especie a Edmir que pegou o dinheiro e disse que iria pegar um carimbo que faltava, indo para o fundo do prédio. Em determinado momento Thiago avisou que iria ao banheiro e também saiu da sala. Após 30 minutos os comerciantes estranharam e somente ao perguntar a recepcionista que souberam que o local se tratava de um posto de saúde, e os meliantes haviam fugido pelos fundos.

A delegada afirma que os presos já tem passagens por estelionato e associação criminosa e que inclusive praticaram os mesmos crimes no Paraná, Maranhão, Tocantins, Mato Grosso, Acre, e principalmente em Brasilia. Além dos dois presos há outras pessoas envolvidas nos crimes que inclusive tiveram a prisão decretada, porem não tiveram seus nomes revelados.

Paulo Francis

Comentários

comentários