Dorival Jr defende xará são-paulino e relata alegria de reviver 2010

Para muitos, o Santos definiu sua classificação à final da Copa do Brasil na semana passada, quando bateu o São Paulo no Morumbi por 3 a 1. Mas o discurso do elenco santista de que esqueceria a vantagem conquistada para o duelo desta quarta-feira não era só da boca para fora. Em 30 minutos brilhantes, o Peixe voltou a marcar três gols e, ao levar um no segundo tempo, eliminou seu rival após um novo 3 a 1. Na entrevista coletiva depois do clássico, Dorival Júnior se rendeu ao vistoso futebol apresentado por sua equipe e lembrou de 2010, ano que também sob o comando do atual treinador santista, o clube da Vila Belmiro chegou ao seu inédito título de Copa do Brasil com um estilo alegre e contagiante liderado por Neymar e com as companhias de Ganso e Robinho.

Dorival Jr garantiu que também usaria uma formação ofensiva, caso fosse técnico do São Paulo (Foto: Ivan Storti)
Dorival Jr garantiu que também usaria uma formação ofensiva, caso fosse técnico do São Paulo (Foto: Ivan Storti)

“Tenho que ressaltar a alegria de ver a equipe jogar um futebol dinâmico, veloz, competitivo, como era em 2010. Fruto de muito trabalho, da dedicação de muita gente que está aqui dentro, que trabalha duro para isso, para evitar qualquer conversinha. É isso que tem acontecido. Fico muito contente desse novo momento da equipe do Santos e espero que não termine tão cedo, porque é prazeroso assistir a equipe jogando com trocas de passe, sempre para frente”, disse o treinador do Peixe.

E se no primeiro confronto Dorival Júnior deixou o clássico satisfeito com o placar, mas preocupado com os vacilos no setor defensivo, que acabou contando com a ineficiência são-paulina na hora de concluir as jogadas em gol. Desta vez, o Peixe não deu chances ao rival da Capital, principalmente em função dos espaços encontrados diante de um São Paulo montado por Doriva com dois meias, três atacantes e poucos atletas para defender seu gol. Mesmo assim, o treinador do Peixe saiu em defesa de seu xará, já que o comandante Tricolor também se chama Dorival Júnior.

“Eu faria o mesmo que o Doriva fez, porque ele precisava agredir. E saindo um gol logo no começo, seria natural que as coisas se invertessem. O São Paulo, com a capacidade boa no meio campo, seria natural que as coisas mudassem. Você tem que arriscar. Acho que ele fez uma escolha correta. Lógico que tivemos espaço nos contra-ataques, soubemos tocar a bola, mas não acho que ele errou”, avaliou.

Comentários

comentários